AP Photo/Ahn Young-joon
AP Photo/Ahn Young-joon

Supremo Tribunal de Seul confirma prisão perpétua de capitão de balsa que naufragou

Lee Joon-seok foi declarado culpado de assassinato por não cumprir com suas responsabilidades como capitão durante o incidente que deixou 304 mortos, a maioria estudantes

O Estado de S. Paulo

12 de novembro de 2015 | 13h28

SEUL - O Supremo Tribunal da Coreia do Sul confirmou nesta quinta-feira, 12, a sentença de prisão perpétua para o capitão da balsa Sewol, cujo naufrágio em 2014 resultou em 304 mortes, a maioria estudantes de ensino médio, em uma das maiores tragédias na história do país.

O Supremo Tribunal sul-coreano confirmou que Lee Joon-seok, de 70 anos, é culpado de assassinato por não cumprir deliberadamente com suas responsabilidades como capitão durante o incidente ocorrido em 16 de abril de 2014 no litoral sudeste do país, segundo a sentença.

A confirmação põe fim a um longo processo judicial contra o capitão, que no primeiro veredicto, em novembro de 2014, foi condenado a 36 anos de prisão. Cinco meses depois, o segundo veredicto decretou prisão perpétua após a revisão dos apelos do acusado e dos promotores. 

A Justiça então desprezou o recurso apresentado pelo capitão contra a decisão divulgada em abril por um juiz do Alto Tribunal de Gwangju, no sudoeste da Coreia do Sul.

De acordo com aquela decisão, o capitão se mostrou passivo durante os momentos mais cruciais, já que não deu a ordem de evacuação quando deveria e não se esforçou para resgatar os passageiros. ”Acabou prematuramente com a vida dos estudantes", concluiu o juiz. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.