EFE
EFE

Supremo venezuelano quer elevar de 30 para 50 anos pena para traição à pátria

Presidente do TSJ propôs à Assembleia Constituinte uma ampla revisão da legislação penal

O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2017 | 21h18

CARACAS - O presidente do Tribunal Supremo de Justiça venezuelano, Maikel Moreno, propôs nesta terça-feira elevar a pena máxima para delitos como traição à pátria e terrorismo de 30 anos para "mais de 50 anos". 

Em um discurso diante da poderosa Assembleia Constituinte, que redige a nova Carta Magna, Moreno propôs uma ampla revisão da legislação penal. 

"As penas dos delitos graves, que mais causam danos à sociedade venezuelana, nos parecem que não correspondem à magnitude do dano causado, como é a do homicídio, do sequestro, da traição à pátria, do terrorismo e do roubo. Creio, em minha humilde opinião, que devem cumprir mais de 50 anos", afirmou. 

Entre aplausos dos membros da Constituinte, Moreno acrescentou que é preciso "que se revise o limite constitucional de 30 anos".

A Constituição de 1999, redigida no governo do presidente Hugo Chávez, morto em 2013, contempla que "não haverá condenações a penas perpetuas ou caluniosas" e "as penas privativas da liberdade não excederão os 30 anos".

O presidente Nicolás Maduro costuma acusar seus adversários de traição à pátria e terrorismo, especialmente pela violência desatada durante protestos contra ele que deixaram 125 mortos e milhares de detidos nos últimos quatro meses.

Para Gonzalo Himiob, advogado penal e membro da ONG Foro Penal, a proposta de Moreno tem uma "evidente intenção política para fazer ver que quem atentar contra os poderes instituídos são os criminosos mais perigosos".

Cerca de 400 pessoas detidas na recente onda de manifestações estão sendo processadas por tribunais militares.

Himiob explicou à AFP que na Justiça civil se imputam, em geral, delitos como instigação à desobediência das leis e resistência à autoridade. Na militar, contudo, as acusações vão até traição à pátria e rebelião militar.

A Constituinte, eleita entre denúncias de fraude e forte rejeição internacional, decidiu também nesta terça-feira migrar todos os processos militares para a Justiça comum.

Moreno ainda formalizou sua subordinação à Constituinte, que o ratificou no cargo por unanimidade. Maduro e a chefe do poder eleitoral fizeram o mesmo. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.