Surge nova versão sobre suposta morte de Bin Laden

A incógnita sobre o paradeiro de Osama bin Laden, cuja busca prossegue nas montanhas de Tora Bora, fez surgir hoje uma nova versão sobre umamorte "serena", por causas naturais, do líder da rede terrorista Al-Qaeda. A versão foi divulgada por fontes talebans citadas nesta terça-feira por meios de comunicação paquistaneses, enquanto por parte do governo de Cabul - onde hoje se realizou a primeira partida de futebol em muitos anos, com 3.500 espectadores - não houve nenhuma confirmação a respeito. Segundo uma rádio local, quem confirmou a morte de Bin Laden - uma hipótese já mencionada pelos americanos e pelo próprio presidente paquistanês, Pervez Musharraf - teria sido um prisioneiro. Já para o jornal Pakistan Observer, a notícia teria chegado através de seguidores do milionário saudita que ainda estão livres. O relato destas últimas fontes insiste em que Bin Laden teria morrido em sua casa vítima de um enfermidade pulmonar talvez agravada por complicações cardíacas, mas com ânimo"forte e sereno". Mas ainda, enquanto os americanos bombardeavam furiosamente a zona, o "inimigo número um" dos EUA teria recebido visitas, entre as quais a de alguns de seus familiares, seguidores e até mesmo de suas quatro mulheres, deixando a estes sua última mensagem. "Não tenho remorsos", teria dito o líder saudita,convidando os muçulmanos a continuarem lutando com todas as suas forças e confiando na "recompensa de Deus". Bin Laden, ainda segundo essas mesmas fontes, teria sido sepultado e a terra cuidadosamente nivelada sobre a tumba emrespeito à tradição wahabita e também a fim de jamais permitir sua localização por parte dos "infiéis".A informação, no entanto, não parece convencer os EUA. Segundo informações da imprensa, Washington estaria preparando uma nova operação de ataque e um minucioso estudo da região de Tora Bora.Algumas informações sobre a sorte de Bin Laden, antes dos novos ataques, poderiam ter vindo de Awal Gul - um chefe tribal afegão que, segundo afirmou a agência afegã AIP, foi detido "porque é suspeito de ter proporcionado ajuda às forçasda Al-Qaeda".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.