Surto de febre aftosa na Grã-Bretanha começou em laboratório

A investigação sobre um surto de febreaftosa surgido na Grã-Bretanha no mês passado descobriu falhasna segurança de um laboratório do país que funciona com verbaspúblicas. "Apareceram alguns indícios de certa complacência noesquema de segurança do IAH (Instituto de Saúde Animal)",afirmou em uma entrevista coletiva concedida na sexta-feiraBrian Spratt, responsável por comandar a investigação oficialsobre a fonte do surto. Casos da febre aftosa foram confirmados em duas fazendas deSurrey (sul da Inglaterra). As autoridades confirmaram oprimeiro deles no dia 3 de agosto. As investigações descobriram que o surto começou no IAH, umcentro de pesquisa localizado em Pirbright, a poucosquilômetros da área do primeiro caso. No centro, realizam-sepesquisas com vacinas para a doença. "Não se pode desculpar o fato de que o agente da febreaftosa tenha escapado do laboratório de Pirbright. Isso nãopode acontecer de novo", disse a ministra britânica daAgricultura e do Meio Ambiente, Hillary Benn. O local abriga dois laboratórios. Um é dirigido pelo IAH eo outro, pela Merial, uma empresa privada de propriedade daMerck, dos EUA, e da Sanofi-Aventis SA, da França. Segundo Spratt, o laboratório da Merial é "moderno e bemconservado" e não apresenta "nenhum problema de biossegurança."Já o laboratório do IAH é uma "instalação antiga que precisaser reformada." "Garantir a segurança de uma instalação antiga é algodifícil e caro", observou. Geoffrey Podger, diretor-executivo da agência do governoencarregada de fiscalizar o setor de saúde, disse ser "muitoprovável" que o vírus tenha entrado em um sistema de drenagemusado pelo IAH e pela Merial. A agência divulgou um outrorelatório a respeito do caso. Um vazamento nos canos somado às fortes chuvas pode terfeito com que o vírus chegasse à superfície, de onde veículosusados por operários podem tê-lo levado para fora dainstalação, afirmou Podger. "Chegamos à conclusão de que as falhas identificadas noesquema de biossegurança na questão do manuseio do lixo líquidodevem ter provocado o vazamento do vírus da febre aftosa emPirbright", afirmou o relatório da agência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.