Surto de febre no Gabão pode ser de Ebola

A Organização Mundial daSaúde (OMS) disse hoje que o surto de febre no Gabão podeser atribuído, de acordo com todos os indícios, ao vírusmortífero do Ebola. O porta-voz da OMS, Gregory Hartl, declarou aosjornalistas que "no que vimos, há semelhanças com os sintomasdo Ebola". "Estamos trabalhando para levar amostras aoslaboratórios e poder confirmá-lo", acrescentou. Hartl disse que o surto na nação da costa ocidentalafricana parece já ter provocado a morte de 17 pessoas, entreelas a de um funcionário da Saúde. O fato de que o surto tenha surgido em uma área muitoisolada e de difícil acesso torna a investigação mais difícil. "Precisamos ser cuidadosos: muitas febres hemorrágicassão muito similares, por isso não pudemos confirmar ainda se setrata do Ebola", disse o porta-voz em Genebra. Segundo Hartl, uma equipe de funcionários do ministérioda Saúde do Gabão e da OMS está se dirigindo à região afetada.Ele também mencionou informes não-confirmados sobre um possívelsurto no Congo - país próximo, mas que não faz fronteira com oGabão. O Ebola se transmite através de fluidos corporais comomuco, saliva ou sangue, não pelo ar. O período de incubação é de10 dias, após os quais aparecem sintomas muitos semelhantes aosda gripe. Mas o vírus provoca graves hemorragias internas,vômitos e diarréia. Embora não exista cura para a doença, os pacientes quesão tratados em etapas iniciais contra a desidratação têm chancede se salvar. Houve três surtos de Ebola no Gabão nos anos 90. Em 1997 o vírus matou 10 pessoas. O mais recente surto ocorreu em 2.000 em Uganda, ondepelo menos 170 pessoas morreram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.