Suspeita de bomba fecha de novo a Times Square

Centro de Nova York foi esvaziado em minutos pelo esquadrão antiterror, mas a bolsa térmica achada por um policial continha só garrafas d'água

Efe e Reuters, O Estado de S.Paulo

08 Maio 2010 | 00h00

NOVA YORK

Uma bolsa térmica na qual se supunha conter uma bomba - mas que na realidade estava cheia de garrafas d"água - voltou ontem a causar pânico na Times Square, em Nova York. Uma ampla região entre as ruas 44 e 47 foi esvaziada pela polícia local em questão de minutos e o tráfego de veículos foi interrompido. Carros e furgões da polícia, agentes de segurança a cavalo e ambulâncias tomaram a área.

Foi a segunda operação de segurança desse tipo realizada nas proximidades da Times Square por temor de um atentado terrorista.

No sábado à noite, a polícia desativou um carro-bomba deixado na região após a denúncia de um vendedor de camisetas.

O paquistanês naturalizado americano Faisal Shahzad, que confessou ser responsável pelo fracassado atentado, já estava no avião que taxiava na pista e deveria levá-lo a Dubai quando foi detido, na segunda-feira à noite.

O episódio fez Nova York recordar o medo de um ataque terrorista, que vinha tentando esquecer desde os atentados de 11 de setembro de 2001, e criou um clima de histeria na cidade.

"Temos de tomar todas as precauções porque permanecemos como alvo principal de terroristas", disse o prefeito da cidade, Michael Bloomberg, em entrevista à emissora de TV CNN. "Isso é algo que todos os nova-iorquinos entendem e é algo que precisamos que Washington entenda também." O pacote suspeito foi deixado diante de um hotel e encontrado por um policial que patrulhava a região.

Shows da Broadway. Segundo a polícia, ele pode ter sido esquecido por um vendedor ambulante ou pelos milhares de turistas que todos os dias transitam pelo lugar, perto de um concorrido posto de venda de entradas para espetáculos da Broadway.

Especialistas do esquadrão antibomba do Departamento de Polícia de Nova York analisaram o pacote com a ajuda de cães farejadores. Também foram feitos raios X para observar seu conteúdo. Depois de cerca de uma hora concluíram: a bolsa térmica era, de fato, só uma bolsa térmica.

As medidas de segurança foram desativadas e os pedestres e veículos puderam voltar a circular na região.

Desde que o carro-bomba foi encontrado na Times Square, as denúncias sobre pacotes suspeitos recebidas pela Polícia de Nova York multiplicaram-se, segundo o jornal The Wall Street Journal. Só entre domingo e quarta-feira, o esquadrão antibomba da cidade investigou 493 pacotes suspeitos. Na quarta-feira à noite, a polícia fechou a Ponte Triborough, em Nova York, após um caminhão que cheirava a gás ter sido encontrado abandonado. Após investigação, descobriu-se que o veículo estava quebrado.

Ontem, as forças de segurança nova-iorquinas foram chamadas por um vendedor em Manhattan porque havia uma mala suspeita perto de uma lixeira. Na mala, policiais encontraram apenas roupas.

As autoridades americanas anunciaram o endurecimento das regras das listas de pessoas proibidas de voar, após o paquistanês quase ter conseguido fugir dos EUA.

Cronologia

Quarta-feira

Esquadrão antibomba é novamente acionado em Manhattan, mas ameaça era falsa. Shahzad começa a responder a cinco acusações, incluindo de conspiração e terrorismo

Segunda-feira

Governo americano anuncia a prisão do paquistanês naturalizado americano Faisal Shahzad (foto). Ele foi preso dentro de um avião a caminho de Dubai

Sábado

Automóvel na Times Square chama atenção de vendedor ambulante após soltar fumaça. Polícia isola o local, desativa a bomba caseira e lança uma

caçada ao responsável

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.