Reuters
Reuters

Suspeito de ataques no Kansas é antigo líder da Ku Klux Klan, diz polícia

Frazier Glenn Cross Jr. é acusado de ter matado 3 pessoas em centros judaicos nos EUA

O Estado de S. Paulo,

14 de abril de 2014 | 15h45

WASHINGTON - O homem detido no domingo 13, suspeito de matar três pessoas em dois ataques a centros judeus de Kansas City, é um supremacista e antigo líder da Ku Klux Klan (KKK), confirmou nesta segunda-feira, 14 a polícia americana.

Frazier Glenn Cross Jr., um homem de 73 anos de Aurora (Missouri) com um longo histórico de racismo e antissemitismo, foi detido pouco depois dos ataques acusado de homicídio em primeiro grau. Cross também é conhecido pelo nome Glenn Frazier Miller.

Cross é acusado de ter atirado e Reat Griffin Underwood, de 14 anos, aluno do primeiro ano do ensino médio, e seu avô, William Corporo , de 69 anos, em um centro comunitário judeu, onde havia cerca de 70 pessoas, a maioria crianças, que se preparavam para participar de um concurso de dança.

Em seguida, ele se dirigiu ao Village Shalom, que oferece abrigo e atendimento a idosos, e matou uma mulher. Após ser detido, foi levado à prisão do condado de Johnson.

Quando as autoridades policiais o levavam à prisão, o detido gritou "Heil Hitler!", informaram fontes da polícia. Após descobrir a identidade do acusado, o Southern Poverty Law Center (SPLC), organização que investiga grupos racistas, divulgou os antecedentes racistas e antissemitas de Miller.

Veterano da Guerra do Vietnã, Cross participou da organização paramilitar associada ao KKK "cavaleiros das Carolinas", onde foi um "grão-dragão", um dos primeiros grupos a usar táticas paramilitares para intimidar negros nos Estados Unidos, segundo o SPLC.

Além disso, Cross foi preso nos anos 1980 por posse ilegal de armas e por conspirar para assassinar o fundador do SPLC. Quando saiu da prisão, Cross foi candidato ao Senado americano em 2010, continuou vinculado a grupos racistas e colaborou e financiou diferentes publicações antissemitas que pregavam o "extermínio de judeus"./ EFE e NYT

 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAcentros judaicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.