AP Photo/Rogelio V. Solis
AP Photo/Rogelio V. Solis

Suspeito de atirar em professor em uma universidade dos EUA se suicida

Shannon Lamb teria atingido seu colega, o docente Ethan Schmidt, com dois disparos quando este trabalhava em seu escritório

O Estado de S. Paulo

15 Setembro 2015 | 09h21

WASHINGTON - Um professor de Geografia da Universidade Delta State, no estado do Mississipi, nos Estados Unidos, se suicidou no fim da noite de ontem e é o principal suspeito de ter assassinado um de seus colegas, um docente de História, informou a polícia na madrugada desta terça-feira, 15.

Shannon Lamb regressava de Arkansas quando teve a placa de seu carro identificada ao cruzar uma ponte sobre o rio Mississipi, explicou o chefe do departamento policial de Cleveland, Charles Bingham.

A polícia seguia o suspeito sem a intenção de capturá-lo, disse Bingham. Lamb então parou o carro e continuou o caminho a pé. Os agentes aguardavam reforços quando ouviram um disparo. Após a chegada dos outros policiais, eles viram o corpo do professor, que se matou com um tiro na cabeça.

“Não queríamos que acontecesse desse jeito. Não era nossa intenção que acabasse assim. Mas infelizmente ele tomou essa decisão”, comentou o chefe de polícia.

Além disso, o professor de Geografia estaria vinculado com a morte violenta de Amy Prentiss, 41  encontrada ontem em sua casa, em Gautier, com quem mantinha uma relação sentimental. 

O professor assassinado, que foi atingido por dois disparos quando trabalhava em seu escritório na universidade, é Ethan Schmidt, que tinha aproximadamente 50 anos.

Vários meios da imprensa dos EUA publicaram fotos pessoais em que Schmidt é visto ao lado de Lamb em um ambiente descontraído e reportaram que Schmidt tinha incluído Lamb na lista de agradecimentos de um de seus livros.

A Universidade Delta State, que tem 3.500 estudantes e está situada na cidade de Cleveland, ordenou o fechamento do campus por volta das 10h45 locais (12h45 de Brasília) após perceber a presença de um "atirador ativo".

Todas as aulas foram suspensas durante o resto do dia, assim como os planos da universidade de comemorar hoje o 90º aniversário do campus. /EFE e ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.