AP Photo/Sackchai Lalit
AP Photo/Sackchai Lalit

Suspeito de causar explosão na Tailândia confessa crime em interrogatório

Yusufu Mierili assumiu a culpa pelo atentado que matou 20 pessoas e deixou mais de 100 feridas, porém ainda não se sabe se a confissão tem peso legal em um tribunal

O Estado de S. Paulo

07 Setembro 2015 | 12h30

BANGCOC - Um dos principais suspeitos de ter planejado e executado uma explosão que matou 20 pessoas na Tailândia em agosto, Yusufu Mierili assumiu nesta segunda-feira, 7, a culpa pelo ato em um interrogatório. Segundo as câmeras de gravação, a polícia perguntou se ele era culpado ou não e, por meio de um tradutor, o suspeito disse: “culpado”.

Não ficou claro, porém, se a aparente confissão teria um peso legal em um tribunal. Mierili, que foi preso na terça-feira perto da fronteira entre a Tailândia e Camboja, ainda não foi formalmente acusado. 

A polícia diz que encontrou seu DNA e impressões digitais em dois apartamentos que foram invadidos há uma semana pela polícia nos arredores de Bangcoc. Os dois locais contavam com materiais para fazer bombas e um deles tinha mais de 200 passaportes turcos falsos.

A explosão, ocorrida em 17 de agosto, no santuário de Erawan, matou 20 pessoas e feriu mais de 120. Autoridades sugeriram que pelo menos dois dos suspeitos são possivelmente turcos, impulsionando uma teoria de que o bombardeio foi uma vingança motivada pelo fato de a Tailândia ter forçado a repatriação de 100 pessoas da etnia dos uigures para a China. A Turquia concentra a maior comunidade de uigures.

Outro suspeito, que foi preso no último dia 29 de agosto em um dos dois apartamentos invadidos pela polícia, estava na posse de um passaporte turco falso. Identificado como Adem Karadak, ele foi transferido para a custódia policial na sexta-feira após quase uma semana sob custódia militar. /ASSOCIATED PRESS

Mais conteúdo sobre:
atentado explosão Tailândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.