Suspeito de crime de guerra é eleito premier de Kosovo

O Parlamento de Kosovo elegeu como primeiro-ministro o antigo comandante rebelde Ramush Haradinaj, apesar da possibilidade de ele ser indiciado como criminoso de guerra. O albanês étnico de 36 anos, que foi recentemente interrogado pelo tribunal de crimes de guerra da ONU, repudiou a idéia de um indiciamento e prometeu preparar a província sérvia, administrada pela ONU, para o que chamou de "grande desafio" do futuro.O Parlamento de 120 lugares aprovou por 72 votos a 3 o nome de Haradinaj para liderar o novo governo kosovar, mas integrantes do segundo maior partido da casa, o Partido Democrata de Kosovo, liderado por outro ex-comandante rebelde, se absteve. Autoridades ocidentais se mostraram preocupadas com a eleição de Haradinaj, temendo que um possível indiciamento possa desestabilizar a província. Sérvios de Kosovo e políticos da Sérvia o consideram o mais notório líder rebelde kosovar e teriam apresentado provas de atrocidades cometidas pelas forças de Haradinaj na guerra. Kosovo tem sido administrada pelas Nações Unidas desde junho de 1999, após uma ofensiva aérea lançada pela Otan para impedir a repressão imposta por forças sérvias contra albaneses étnicos que lutavam pela independência. O status final da província será discutido em meados do próximo ano, caso haja avanços na situação política, econômica e social de Kosovo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.