US Park Police/Efe
US Park Police/Efe

Suspeito de disparar contra a Casa Branca irá a tribunal

Duas balas de rifle de assalto foram encontradas pelo serviço secreto na residência presidencial

Agência Estado

17 de novembro de 2011 | 15h48

WASHINGTON - O homem que disparou com um rifle de assalto contra a Casa Branca será levado a um tribunal de Pittsburgh nesta quinta-feira, 17, informaram as autoridades americanas. O suspeito deve responder a questões sobre seu envolvimento no caso.

 

Veja também:

linkCasa Branca foi alvo de disparos, diz serviço secreto

 

Oscar Ramiro Ortega Hernández, de 21 anos, foi detido na quarta-feira pela polícia na Pensilvânia após quatro dias de buscas por suspeita de ter disparado contra a residência presidencial dos Estados Unidos. Ele foi descrito pelas autoridades como "obcecado" pelo presidente Barack Obama e pela Casa Branca.

 

O serviço secreto americano encontrou dois projéteis deflagrados na Casa Branca. A presidência não quis comentar o incidente.

 

Ortega Hernández disparou os tiros com um rifle na noite da sexta-feira passada. Uma das balas teve sua trajetória interrompida pelo vidro blindado. A janela atingida é a do Salão Oval Amarelo, bem no meio da ala onde vive a família presidencial. A investigação acredita que Ortega Hernández disparou seu rifle apoiado na janela do carro e depois fugiu em alta velocidade.

 

Não é a primeira vez que a Casa Branca é alvo de um ataque. Nos últimos 40 anos, a mansão foi ameaçada algumas vezes. Em 1974, um homem roubou um helicóptero e pousou o aparelho no gramado da mansão. Em 1984, uma pessoa provocou um tiroteio na calçada em frente ao prédio. E apenas em 1994, ocorreram cinco ataques ou tentativas de ataques. No pior deles, um homem disparou 29 tiros de uma semiautomática contra a Casa Branca, acertando 11 disparos no prédio. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACasa BrancaObamaataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.