EFE/Jane Rosenberg
EFE/Jane Rosenberg

Suspeito de envio de bombas caseiras comparece a tribunal e novo pacote é interceptado

Cesar Sayoc teve prisão sem direito à fiança determinada e deve comparecer em corte novamente na sexta-feira; novo pacote foi detectado em Atlanta e estava direcionado à CNN

O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2018 | 20h26

MIAMI - O homem acusado de enviar 14 bombas caseiras a importantes críticos do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, teve a prisão determinada nesta segunda-feira, 29, sem direito à fiança, enquanto o FBI confirmou que um outro pacote suspeito endereçado à rede de TV CNN foi interceptado.

Cesar Sayoc, com seu cabelo preso em um rabo de cavalo, permaneceu a maior parte do tempo em silêncio, simplesmente reconhecendo a leitura das acusações do juiz Edwin Torres contra ele. 

Algemado e vestido em um macacão bege, o homem de 56 anos começou a lacrimejar, e os três advogados que o acompanhavam se mantiveram ombro a ombro para tapar vista dos jornalistas e fotógrafos. Sayoc deve comparecer perante a corte em Miami novamente na manhã de sexta-feira. 

O ex-stripper e entregador de pizza é acusado dos seguintes crimes: transporte interestadual e ilegal de explosivos, ameaças a um ex-presidente, realização de comunicações ameaçadoras interestaduais, e agressão a agentes federais. 

Em Atlanta, o FBI confirmou que um pacote suspeito endereçado à sede da CNN havia sido interceptado. 

As notícias sobre o último pacote suspeito aparecem em meio à intensa campanha política a apenas uma semana das eleições parlamentares do dia 6 de novembro, na qual os democratas batalham para conseguir a maioria no Congresso, agora controlado pelo Partido Republicano de Trump. 

As tensões provocadas pelas bombas caseiras aumentaram ainda mais depois que um atirador abriu fogo em uma sinagoga em Pittsburgh no sábado, matando 11 pessoas enquanto gritava “Todos os Judeus devem morrer”. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.