Suspeito de matar menina americana será deportado

O professor americano John Karr, detido na Tailândia sob suspeita de assassinar a menina JonBennet Ramsey há dez anos, será deportado no domingo pelo governo tailandês, informaram fontes oficiais. Segundo informações de Bangcoc, um porta-voz da polícia dessa cidade - que preferiu não ser identificado - disse que Karr, de 41 anos, será deportado em um vôo direto para Los Angeles (Califórnia).Karr, um professor do ensino primário que confessou na Tailândia sua culpa no homicídio da menina, de seis anos e que era modelo no Colorado, deverá comparecer a um juiz da cidade de Boulder, nesse Estado dos EUA. O homem, que foi detido na quarta-feira na Tailândia, disse em entrevista coletiva em Bangcoc que estava com a menor quando ela morreu um dia depois do Natal de 1996, mas que a morte da menina aconteceu de forma acidental.JonBenet foi encontrada no porão da casa dos pais em Boulder, com fraturas e sinais de estrangulamento.Algumas declarações de Karr que não se encaixam com os fatos aumentaram a confusão em torno deste caso.Segundo as autoridades da Tailândia, o suspeito declarou que esteve presente quando Ramsey, de 6 anos, sofreu estrangulamento e fratura de crânio no porão de sua casa.A procuradora de distrito em Boulder, Mary Lacy, encarregada do caso, disse que "se presume que Karr é inocente, e não foram feitas acusações judiciais contra ele".Lacy advertiu que "ainda resta muito trabalho a fazer neste caso", que comoveu os americanos.Fontes tailandesas disseram em um primeiro momento que Karr disse que ele pegou JonBenet na escola no dia da morte da menina, e que a drogou e a estuprou.Mas, em 26 de dezembro, quando ocorreu o crime, não houve aulas nas escolas dos EUA, o exame legista não encontrou indícios de drogas no corpo de JonBenet e os sinais de ato sexual não foram conclusivos.A ex-esposa de Karr, Lara, disse a um canal de televisão na Califórnia que John estava no Alabama com ela no momento do homicídio, e que não acredita que seu ex-marido tenha envolvimento com o crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.