Suspeito de matar modelo infantil chega aos Estados Unidos

John Karr, o suposto assassino da modelo infantil JonBenet Ramsey, que tinha seis anos quando foi morta, em 1996, chegou em Los Angeles neste domingo às 21h30 (01h30 de segunda-feira em Brasília), deportado da Tailândia após um vôo direto de cerca de 15 horas de duração.A deportação de Karr, professor de educação primária de 41 anos, coincide com diversas versões sobre uma possível procura do americano por tratamento em uma clínica especializada em operações cirúrgicas de mudança de sexo.Após sua detenção em Bangcoc, na última semana, Karr supostamente confessou sua responsabilidade na misteriosa morte de JonBenet Ramsey, que apareceu estrangulada e com fraturas no crânio no porão da mansão de seus pais, em Boulder (Colorado), no dia 26 de dezembro de 1996.Karr confessou ser o autor do crime em entrevista coletiva em Bangcoc, mas suas afirmações são contraditórias, na opinião de juristas próximos ao caso. Durante os últimos dez anos, o caso da morte da menina foi uma dor de cabeça para a Polícia e especialistas em desvendar homicídios misteriosos.As dúvidas sobre o caso aumentaram após o depoimento de Karr, que apresentou uma série de contradições. Os pais da menina foram interrogados várias vezes, mesmo sem serem considerados suspeitos, segundo os investigadores.Segundo as investigações, no dia do crime a mãe da menina, Patsy Ramsey - que morreu em junho passado em decorrência de um câncer no ovário -, ligou para o serviço de emergência da Polícia de Boulder para denunciar o seqüestro de JonBenet. Quando os policiais chegaram à mansão dos Ramsey, havia um bilhete anônimo que teria sido deixado nas escadas da casa pelo suposto seqüestrador, afirmando que a menina estava em seu poder. Horas depois, o pai encontrou o corpo da filha no porão da casa.Em 2003, as investigações ficaram praticamente estagnadas depois que os Ramsey se mudaram para o estado da Geórgia. Houve novos exames de DNA na roupa de JonBenet em 2004, e os resíduos de pele encontrados nas unhas das mãos da menina foram comparados com dados de acusados por crimes sexuais reunidos em um banco nacional, mas não foi encontrada nenhuma pista.Ninguém havia sido detido durante os dez anos de investigações sobre o caso, até que a Polícia da Tailândia anunciou a prisão de Karr. A ex-esposa de Karr, Lara, disse a um canal de televisão na Califórnia que John estava no Alabama com ela no momento do homicídio, e que não acredita que seu ex-marido tenha envolvimento com o crime.Depois da prisão em um distrito de Bangcoc - destino conhecido pelo turismo sexual -, parentes e conhecidos disseram que ele é um homem fascinado por crimes contra menores. As autoridades ainda não informaram se Karr será levado ainda nesta segunda a Boulder, onde deverá comparecer perante um juiz e responder às acusações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.