AP Photo/Virginia Mayo
AP Photo/Virginia Mayo

Suspeito detido em Bruxelas após alerta de bomba poderia ter vínculos com EI

Indivíduo ligou para a polícia no início da manhã e disse que levava consigo um cinturão de explosivos. Premiê belga assegurou que situação está sob controle

O Estado de S. Paulo

21 Junho 2016 | 09h58

BRUXELAS - O suspeito detido nesta terça-feira, 21, em Bruxelas após um alerta de bomba no centro comercial City 2 e que levava um cinto de explosivos falso, era conhecido pelos serviços de inteligência e poderia ter vínculos com o Estado Islâmico (EI), disse o ministro da Justiça belga, Koen Geens, segundo o jornal Le Soir.

"Podemos supor que tinha vínculos com o Estado Islâmico", apontou o ministro ao ser questionado pelos jornalistas nos corredores da Câmara belga de deputados, informou o publicação.

Da mesma forma que o primeiro-ministro, Charles Michel, Geens afirmou que a situação está sob controle e que "a ameaça não é iminente em absoluto", segundo informou a agência de notícias Belga.

No início da manhã, o premiê havia dito que o suspeito não era um terrorista, mas uma pessoa com desequilíbrio mental, segundo informações de alguns veículos de imprensa. "A situação por enquanto está sob controle", afirmou em entrevista à emissora RTL.

O primeiro-ministro não quis dar mais detalhes do ocorrido e se limitou a dizer que os serviços de segurança permanecem em alerta e que a Promotoria Federal da Bélgica informará sobre o caso nas próximas horas.

O Órgão de Coordenação de Análise de Ameaças (OCAM) não elevou o alerta de risco por atentado terrorista, que se encontra no nível 3 de uma escala de 4.

O próprio suspeito havia chamado a polícia e indicado que levava consigo um cinto de explosivos, o que obrigou autoridades a estabelecerem um perímetro de segurança, fecharem a estação de metrô de Rogier, próxima ao centro comercial, e a interditarem várias ruas das região.

O ministro participou nesta manhã, ao lado de Michel e do titular belga de Interior, Khan Jambon, de uma reunião do Centro de Crise, organismo que avalia informações para determinar o risco de ameaça de atentados.

O Centro ainda informou que o perímetro de segurança estabelecido em torno do centro comercial foi suspenso em torno das 10h30 locais (5h30 em Brasília), e que a rua onde fica já foi liberada e é acessível aos pedestres.

A Bélgica vive uma situação de tensão máxima desde uma grande operação antiterror realizada no sábado, quando 40 pessoas foram detidas e 3 seguem em poder da Justiça, acusadas de tentativa de assassinato. /EFE

Veja abaixo: Alvo de ataque, estação de metrô reabre em Bruxelas

Mais conteúdo sobre:
Bélgicaterrorismobomba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.