Suspeito do assassinato de deputado chavista é preso na Colômbia

Leiva Padilha Mendoza é acusado de ter planejado a morte de Robert Serra; Venezuela acredita que o crime teve motivação política

O Estado de S. Paulo

06 Novembro 2014 | 14h55

BOGOTÁ - Autoridades colombianas prenderam no norte do país o homem acusado de ter arquitetado o plano de assassinato do deputado venezuelano chavista Robert Serra no mês passado, informou na quarta-feira a imprensa colombiana.

Leiva Padilla Mendoza, conhecido como "Colombia" ou "El Colombia", foi detido por agentes da polícia colombiana no Departamento (Estado) de Bolívar, informou a rádio Caracol.

A polícia de Cartagena das Índias disse que tem conhecimento da prisão de uma pessoa, mas não confirmou a identidade nem o possível envolvimento do detido no assassinato do deputado. Padilla está na lista de procurados da Interpol.

Na semana passada, a procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega, informou que dez pessoas estão presas por envolvimento na morte de Serra e sua companheira, María Herrera. Segundo autoridades venezuelanas, o crime teve motivação política e foi executado por paramilitares colombianos.

O casal foi morto no dia 1.º de outubro em Caracas. Seis homens invadiram a casa do deputado e mataram os dois - informação repetida diversas vezes pelo presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que diz que entre os assassinos há pelo menos dois policiais, um deles o chefe da segurança do deputado.

Na sexta-feira, o presidente garantiu saber a identidade dos autores intelectuais do assassinato de Serra e afirmou que "a extrema direita venezuelana" está envolvida no crime. Maduro disse que um grupo paramilitar colombiano foi quem encomendou o assassinato do "mártir chavista" e pagou US$ 500 mil pelo "serviço". /EFE

Mais conteúdo sobre:
ColômbiaVenezuelaRobert Serra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.