REUTERS/Loren Elliott
REUTERS/Loren Elliott

Suspeito procurado por explosões no Texas se mata durante perseguição policial

Indivíduo explodiu o veículo no qual estava no momento em que as autoridades se preparavam para detê-lo; ele foi identificado como Mark Anthony Conditt, homem branco de 23 anos

O Estado de S.Paulo

21 Março 2018 | 07h46
Atualizado 21 Março 2018 | 21h19

AUSTIN, EUA - Uma intensa investigação de quase três semanas para tentar localizar o autor dos atentados a bomba que aterrorizaram Austin, no Texas, terminou em uma nova detonação nesta quarta-feira, dia 21. Depois de uma perseguição, o suspeito Mark Anthony Conditt, de 23 anos, jogou a picape que dirigia em uma vala e detonou explosivos. Ele morreu no local.

+ Os principais ataques a bombas nos Estados Unidos

+ Após nova explosão de pacote-bomba, polícia do Texas procura por 'serial bomber'

"O suspeito morreu", disse o chefe de polícia de Austin, Brian Manley. Ele acredita que a pessoa em questão é responsável pelas cinco explosões que deixaram dois mortos e vários feridos no Texas desde o dia 2 de março, provocando grande inquietação entre os moradores do Estado.

+ Polícia investiga explosão de três pacotes no Texas e aponta para possibilidade de crime racial

Autoridades não descartam a possibilidade de que Conditt tivesse cúmplices. "Não entendemos o que o motivou a fazer o que fez", disse.

Agentes de segurança alertaram que o suspeito poderia ter instalado outros explosivos que não foram detonados. "Precisamos permanecer cautelosos", explicou Manley. "Não sabemos onde ele esteve nas últimas 24 horas", afirmou o chefe de polícia, acrescentando que "a investigação ainda está em andamento, então não podemos dizer se foi um ato individual".

As autoridades alegaram que sabiam a identidade de Conditt, mas que o nome só seria divulgado depois que o corpo fosse identificado pela família. Ele morava em Pflugerville, um subúrdio localizado a cerca de 32 km do centro de Austin.

Agentes foram à casa dos pais de Conditt, que não responderam às batidas na porta. Pouco depois, os policiais voltaram em dois carros e foram autorizados a entrar na residência.

O governador do Texas, Greg Abbott, disse à uma emissora local que o suspeito morava com dois colegas, que estão cooperando com as investigações. "Por meio deles, além de poder acessar as contas das redes sociais e de entrar na casa e coletar informações, saberemos muito mais nas próximas horas", afirmou ele.

O presidente dos EUA, Donald Trump, elogiou a atuação da polícia ao identificar e localizar o indivíduo. "Suspeito de explosões em Austin morreu. Ótimo trabalho dos agentes e de todos os envolvidos", disse ele em sua conta no Twitter.

Perseguição

"Várias pistas levaram a essa pessoa", incluindo um vídeo de segurança, afirmou o chefe de polícia. O veículo doe Conditt foi rastreado até um hotel em Round Rock, ao norte de Austin, onde uma equipe da SWAT cercou o local e chamou unidades especializadas. Antes de elas chegarem, o suspeito fugiu e os agentes o seguiram. Ele parou na rodovia Interestadual 35 e os policiais se aproximaram do carro a pé.

Quando os agentes pretendiam impedir seu avanço e prendê-lo, Conditt detonou uma bomba dentro do carro e morreu, explicou Manley, deixando um agente levemente ferido.

O prefeito de Austin, Steve Adler, disse que os moradores da cidade devem continuar alertas para pacotes suspeitos que o Conditt possa ter enviado antes de morrer.

Quatro bombas foram detonadas em várias áreas de Austin. Uma explodiu em um centro de distribuição da FedEx em Schertz, perto de San Antonio, e outra foi encontrada, não detonada, no mesmo local.

Os ataques começaram no dia 2 de março, quando um pacote-bomba foi detonado na varanda de uma residência, matando Anthony Stephan House, de 39 anos. Dez dias depois, foram registradas duas explosões e uma delas matou um jovem de 17 anos. / AFP e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.