Suspeitos detidos na Flórida estavam brincando

Três homens ouvidos num restaurante quando aparentemente conversavam sobre planos para um atentado terrorista foram perseguidos e detidos durante 17 horas nesta sexta-feira antes de as autoridades chegarem à conclusão de que os homens aparentemente falavam em tom de brincadeira.O xerife do condado de Collier, Don Hunter, informou que os comentários dos homens num restaurante da Geórgia podem ter sidoapenas uma brincadeira entre eles. "Foi um boato e eles serãoacusados criminalmente", garantiu Hunter.O governador da Flórida, Jeb Bush, e um oficial de justiça em Washington disseram que os homens aparentemente não possuíamligações com grupos considerados terroristas. Autoridades locaisutilizaram cães e um robô nas buscas por explosivos realizadasnos dois carros, mas nada foi encontrado.Os homens foram detidos numa van na rodovia Interestadual 75,na região conhecida como Beco do Alligator, mas não foramindiciados. Seus nomes não foram divulgados.Os carros foram parados depois de uma mulher ter comunicado àsautoridades locais que jantava num restaurante em Calhoun, naGeórgia, quando ouviu três homens que pareciam ser do OrienteMédio fazendo comentários "alarmantes", informou Mickey Lloyd,do Departamento de Segurança Pública da Geórgia.Eunice Stone anotou as placas dos dois automóveis em que elesviajavam e entregou à polícia. "Eles contaram ter festejado o11 de setembro, enquanto o país chorava", disse ela ementrevista à rádio WFLZ, de Miami."Um deles comentou: ´Se eles choraram o 11 de setembro, o quefarão então depois do dia 13?´", acrescentou ela, ressaltandoque "um dos suspeitos indagou para os demais se havia materialsuficiente para derrubar, recebendo como resposta que se nãohouvesse saberiam como encontrar".Autoridades estaduais emitiram um alerta com base no informeda mulher. Alertada, a polícia mobilizou técnicos emneutralização de explosivos e cães farejadores de bombas.A polícia então interditou um trecho de 32 quilômetros darodovia e prendeu os três homens de origem árabe e paquistanesa.Os carros foram parados por volta da 1h local em Naples,Flórida. No momento do bloqueio, os veículos, ambos com placasde Illinois, estavam a quase mil quilômetros de Calhoun.Os ocupantes - um jordaniano, um iraniano e um paquistanês(dois deles com cidadania norte-americana) - foram forçados asair enquanto agentes com roupas especiais retiravam todos osobjetos dos veículos e espalhavam na pista."Os cães detectaram inicialmente a presença de explosivos,mas não havia nada disso", disse Mickey Lloyd, do Departamentode Segurança Pública da Geórgia. Ele acrescentou que ossuspeitos protestaram contra a revista e não colaboraram com osinvestigadores.O FBI apurou que os três estão legalmente no país, são médicose iam para o Larkin Community Hospital, em Miami, onde fariam um estágio. Segundo E. J. Picolo, do Departamento de Justiça daFlórida, eles não foram processados. O funcionário recusou-se adar mais informações.Cerca de 14 horas depois da interceptação, os dois veículoscontinuavam na pista e a rodovia não havia sido ainda liberada.A Alligator Alley atravessa a Flórida, de Naples, na costa oeste a Fort Lauderdale (30 quilômetros ao norte de Miami), noleste.As autoridades responsáveis pela segurança na Flóridaproibiram o sobrevôo de aviões não militares na região ecolocaram Miami em estado de alerta. Todos os edifícios públicose locais de grande concentração de pessoas, como shoppings,receberam reforço policial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.