Suspensa apuração manual de votos na Costa Rica

A Corte Suprema de Eleições (TSE) suspendeu na noite de terça-feira a apuração manual de votos das eleições de domingo, na Costa Rica, e retomará o processo nas próximas horas. O presidente do TSE, Oscar Fonseca, disse que é "materialmente impossível" realizar em um dia a apuração das 712 seções que ainda estão pendentes para ter os resultados preliminares do pleito. O TSE encerrou a apuração eletrônica de votos na segunda-feira, após contabilizar 88,44% do total.A apuração manual de votos "está caminhando muito lentamente, está sendo feita muito minuciosamente, é um trabalho muito lento", acrescentou Fonseca."Os fiscais dos partidos políticos revisam a documentação, como é sua obrigação e seu direito, e isso torna muito lenta a apuração", disse ele.Segundo a última apuração, o ex-presidente (1986-1990) e Prêmio Nobel da Paz (1987) Oscar Arias, do Partido Libertação Nacional (PLN, social-democrata), tinha vantagem de apenas 3.250 votos em relação ao economista Ottón Solís, do Partido Ação Cidadã (PAC, centro).Os 11,56% restantes correspondem a votos que não podem ser computados eletronicamente por várias razões. No entanto, devido à pequena diferença de 0,23 ponto percentual entre Arias e Solís, o tribunal decidiu recontar manualmente todos os votos das seções, antes de proclamar oficialmente o presidente eleito.Este processo pode durar cerca de duas semanas, mas o prazo máximo legal para sua finalização é de 30 dias. O PAC, da oposição, pediu por escrito ao TSE que, devido à pequena diferença entre os candidatos, se abstivesse de dar resultados parciais e não fizesse o anúncio do presidente eleito até os resultados definitivos.No entanto, Fonseca disse que "isso é impossível porque as atas de todos os dias são públicas". Segundo o magistrado, o TSE não divulgará os novos resultados pela internet, apenas os fornecerá por escrito às pessoas que solicitarem.Segundo um comunicado divulgado terça-feira, o TSE pediu aos políticos para que se abstenham de anúncios antecipados de vitória eleitoral, e pediu que ambos esperassem "com senso patriótico" a declaração final do tribunal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.