Suspensão de candidatos causa atentado em Bagdá

Uma coalizão política liderada por um dos mais ferrenhos oponentes ao primeiro-ministro Iraquiano, Nouri al-Maliki, suspendeu no sábado sua campanha para eleições parlamentares no mês que vem, após centenas de seus candidatos terem sido proibidos de concorrer.

(AE-AP), Agencia Estado

13 de fevereiro de 2010 | 19h19

O porta-voz da coalizão, Haydar al-Mulla, disse no sábado que o Movimento Nacional Iraquiano suspendeu sua campanha por três dias para negociar o retorno dos seus candidatos.

Os candidatos do Movimento Nacional Iraquiano foram proibidos de concorrer por serem suspeitos de ter ligações com o antigo regime de Saddam Hussein.

A proibição está sendo vista como uma tentativa do governo do primeiro-ministro, de maioria Xiita, de pôr os Sunitas em xeque.

A polícia iraquiana informou neste sábado que uma série de bombas destinadas a grupos políticos explodiram em toda Bagdá, ferindo pelo menos 11 pessoas.

Dois policiais disseram que as bombas explodiram do lado de fora de escritórios e casas de líderes de pelo menos cinco grupos políticos, incluindo quatro sunitas.

Os ataques se devem à escalada das tensões entre o governo xiita e os sunitas, depois que centenas de candidatos foram barrados nas eleições parlamentares marcadas para 7 de março por causa dos laços com Saddam Hussein

A polícia informou que 11 pessoas ficaram feridas nas explosões. Nenhuma morte foi confirmada.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueeleiçãoatentados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.