Reuters
Reuters

Sydney entra em lockdown para tentar barrar variante Delta da covid-19

As infecções da variante Delta começaram com um trabalhador em uma mina de ouro de propriedade da Newmont Corp (NEM.N), agora em bloqueio

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2021 | 03h36

Sydney, na Austrália, anunciou um bloqueio de duas semanas, a partir deste domingo, 27,  devido ao aumento de casos da variante Delta do coronavírus. Já são 110 pessoas contaminadas apenas em Sydney, enquanto um surto na cidade de Darwin, ao norte, levou a uma ordem para que a população ficasse em casa durante dois dias.

"Dado o quão contagiosa esta cepa do vírus é, prevemos que nos próximos dias, o número de casos provavelmente aumentará além do que vimos hoje", disse a premiê estadual de Nova Gales do Sul, Gladys Berejiklian, em uma entrevista coletiva.

A Austrália tem sido mais bem-sucedida na gestão da pandemia do que muitas outras economias avançadas. Desde o início da pandemia, o país tem um pouco mais de 30.450 casos e 910 mortes pela covid-19. O governo determinou o fechamento das fronteiras, regras de distanciamento social enquanto a população se mostra comprometida com o combate à doença.

No entanto, o país tem enfrentado um número crescente de pequenos surtos nos últimos meses. Eles foram contidos até agora por meio de rastreamento rápido de contato, isolamento de milhares de pessoas por vez ou lockdown rígido.

As infecções da variante Delta começaram com um trabalhador em uma mina de ouro de propriedade da Newmont Corp (NEM.N), agora em bloqueio.

Como as autoridades não conseguiram rastrear todos os contatos próximos do mineiro, foi imposto um lockdown imediato de 48 horas em Darwin e em alguns arredores.

"Prefiro me arrepender de termos ido muito duro, muito cedo, do que ir muito devagar e arriscar tudo", disse o ministro-chefe Michael Gunner em entrevista coletiva.

A Austrália Ocidental relatou um caso comunitário que as autoridades estaduais suspeitaram ser a variante Delta. / Com informações da Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.