Tailandeses protestam com gesto de 'Jogos Vorazes' e são presos

Tailandeses protestam com gesto de 'Jogos Vorazes' e são presos

General que comanda o país após golpe diz 'não estar preocupado' com ato depois de oito prisões terem sido feitas nos últimos dias

O Estado de S. Paulo

21 de novembro de 2014 | 10h31


BANGCOC -  O chefe da junta militar tailandesa, general Prayut Chan-O-Cha, afirmou nesta sexta-feira, 16, que não está preocupado com o uso de sinais de protesto contra o regime inspirados no filme Jogos Vorazes. O gesto, com os três dedos levantados, se popularizou no país após o golpe militar que em maio derrubou o governo da premiê Yingluck Shinawatra.

"Não estou preocupado pelos protestos com a saudação dos três dedos", disse o general à imprensa, em referência a um gesto que aparece no filme, feito por rebeldes que enfrentam um regime ditatorial.

Na quinta-feira, coincidindo com a estreia de um novo episódio da saga na Tailândia, três estudantes foram detidos em Bangcoc depois que um deles fez o gesto diante de um cartaz do filme. Um dia antes, outros  cinco estudantes foram detidos no nordeste do país pelo mesmo motivo. Eles foram soltos horas depois. 

Não sei se é um sinal ilegal ou não, mas pode colocar seus futuros em risco", disse o general. Alguns cinemas tailandeses cancelaram as projeções do filme por medo de incidentes. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Tailândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.