Tailandeses radicalizam protestos e premiê deixa sede do governo

Mais de 30 mil pessoas tentam romper barricadas para invadir prédios públicos em Bangcoc

O Estado de S. Paulo,

02 de dezembro de 2013 | 04h00

Manifestantes tentam romper barricada da polícia em Bangcoc. Foto: Wason Wanichakorn / AP

 

BANGCOC  - Cerca de 30 mil manifestantes iniciaram um "golpe do povo" contra o governo tailandês no domingo, invadindo agências estatais em confrontos violentos, tomando o controle de uma emissora estatal e forçando a primeira-ministra a fugir de um complexo policial. Os oposicionistas, o entanto, não conseguiram romper as barricadas da Casa do Governo, escritório da primeira-ministra Yingluck Shinnawatra.

"Eles não dominaram nenhum lugar", disse o chefe do Conselho de Segurança Nacional, Paradorn Pattanathabutr.

Os manifestantes semearam o caos em uma das maiores cidades do sudeste da Ásia, rompendo um bloqueio da polícia, tomando sete caminhões da polícia e forçando Yingluck a se deslocar de um prédio onde ela daria entrevistas à imprensa para um local não revelado.

Pequenos incêndios foram provocados por bombas que caíram perto dos caminhões da polícia. Os manifestantes arrancavam cercas de arame farpado enquanto outros lavavam o gás lacrimogêneo dos olhos com garrafas d'água.

A classe média urbana de Bangcoc tem se mobilizado contra a elite monarquista e os partidários de Yingluck e seu irmão bilionário, Thaksin Shinawatra, um ex-primeiro-ministro deposto em um golpe militar em 2006.

A detonação de granadas de efeito moral, seguida pelas vaias dos manifestantes, ecoaram pelo bairro histórico do governo, não muito longe da região turística de Khao San, depois de uma noite caótica de conflitos e lutas com armas e facas no leste de Bangcoc, em que quatro pessoas morreram e pelo menos 57 ficaram feridas. Os hospitais divulgaram que 46 pessoas foram feridas no domingo.

O porta-voz da polícia, Piya Utayo, disse que as tropas vão expulsar à força os manifestantes que ocupam o complexo do governo desde quinta-feira e o Ministério de Finanças desde segunda-feira. "Mandamos tropas para esses lugares para recuperar a propriedade do governo", disse ele na TV nacional.

O governo pediu aos moradores de Bangcoc, uma metrópole de 10 milhões de pessoas, que permaneçam em casa das 22h às 5h. "Pedimos às pessoas que não deixem suas casas para sua segurança, para que não se tornem uma vítima dos provocadores", disse o vice-primeiro-ministro, Pracha Promnok, em discurso televisionado.

Invasão. Jornalistas da Reuters que esperavam para entrevistar Yingluck no Escritório de Supressão de Narcóticos foram avisados por Natthriya Thawaeevong, uma assistente da primeira-ministra, que ela havia ido embora depois que manifestantes conseguiram entrar na parte externa do complexo, o Clube de Esportes da Polícia, onde o escritório está localizado.

Os manifestantes se concentraram em frente a uma barreira policial do lado de fora de Wat Benjamabhopit, também conhecido como o Templo de Mármore. A polícia lançou gás lacrimogêneo enquanto alguns manifestantes tentavam mover barreiras de concreto.

"Só quero que as pessoas chamadas Shinawatra peguem um avião e vão para algum lugar, e por favor, não voltem", disse Chatupron Tirawongkusol, de 33 anos, cuja família administra um restaurante em Bangcoc.

O líder dos manifestantes, Suthep Thaugsuban, exortou os funcionários do governo e entrarem em greve na segunda-feira e apelou para que todas as estações de televisão parem de transmitir notícias do governo.

"Convidamos todos os tailandeses a se juntarem a nós para defender a democracia", disse ele em um discurso transmitido ao vivo por quase todas as estações de TV, incluindo a estatal PBS, que concordou em transmitir o discurso depois que os manifestantes invadiram suas instalações. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
tailândiamanifestaçãogoverno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.