Sukree Sukplang/Efe
Sukree Sukplang/Efe

Tailândia autoriza extradição do 'Mercador da Morte' aos EUA

Defesa de suposto traficante de armas russo diz que recorrerá da decisão judicial

Efe

20 de agosto de 2010 | 05h37

BANGCOC - Um tribunal da Tailândia autorizou nesta sexta-feira, 20, a extradição do suposto traficante de armas russo Viktor Bout, conhecido como "Mercador da Morte", para os EUA. Ele deverá ser julgado por terrorismo e provisão de armamento a grupos de várias partes do mundo, incluindo a guerrilha colombiana e a Al-Qaeda.

 

Veja também

linkRússia protesta contra extradição

A decisão do Tribunal de Apelações é celebrada por Washington, que desde a detenção de Bout em Bangcoc, em 2008, e mediante uma operação assessorada por agentes americanos, pressionou a Tailândia e esgotou as vias judiciais para conseguir sua entrega.

A extradição de Bout, de 43 anos, será realizada em um prazo de três meses, indicou o juiz. O traficante, que durante o processo reafirmou sua inocência e questionou as acusações, não conteve as lágrimas após conhecer a decisão, ditada em uma sala cheia, onde estavam sua mulher e filha, assim como funcionários das embaixadas da Rússia e dos EUA.

O advogado tailandês do suposto traficante, Lak Nittiwattanawicha, declarou aos jornalistas no final da audiência que a defesa vai tentar bloquear a extradição, e para isso pedirá a intervenção do governo da Tailândia.

Em agosto de 2008, um tribunal de Justiça tailandês rejeitou a solicitação de extradição realizada pelos EUA, que depois apelou contra essa decisão.

Dois meses depois, Washington fez nova tentativa perante a Justiça da Tailândia para que Bout fosse extraditado, com o envio a Bangcoc do procurador-geral Adjunto, David Ogden, que destacou que a extradição era "de grande importância para os EUA".

O Departamento de Justiça dos EUA acusa Bout de participação em operações para a venda às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) de cerca de 800 mísseis, 5 mil fuzis AK-47, explosivos C-4 e minas terrestres, entre outras armas, avaliadas em vários milhões de dólares.

Segundo o FBI, Bout também tentou adquirir uma bateria antiaérea e conspirou para assassinar cidadãos americanos. Se for declarado culpado por esses delitos, pode ser condenado a prisão perpétua pela justiça americana.

Além disso, em fevereiro deste ano, as autoridades americanas acusaram Bout de tentar adquirir de forma ilegal dois aviões nos EUA, entre outros delitos.

Os serviços de inteligência britânicos e americanos afirmam que Bout dirigiu durante anos uma das maiores redes privadas de contrabando de armas e teve negócios com regimes sanguinários na África e Ásia, com ditadores como o liberiano Charles Taylor e com o terrorista Osama bin Laden, que pagava à vista os pedidos da Al-Qaeda.

Sua fama inspirou o filme O Senhor das Armas, cujo protagonista, Nicholas Cage, relata orgulhoso que aproveitou a queda da União Soviética para ganhar muito dinheiro com os arsenais que adquiriu mediante subornos a generais corruptos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.