Tailândia começa a julgar deputado; um policial morre no sul do país

Um deputado muçulmano do partidogovernista da Tailândia começou a ser julgado hoje porsuposta contribuição com um plano para atacar uma base doExército. Enquanto isso, um oficial de polícia foi assassinadono mais recente ato de violência atribuído a rebeldesseparatistas islâmicos no conturbado sul do país. Mais de 320 pessoas morreram desde o início do ano em uma ondade violência nas províncias majoritariamente muçulmanas de YalaNarathiwat e Pattani, no sul da Tailândia. Os muçulmanos destepaís asiático reclamam há muito tempo de tratamento desigual einjusto por parte do governo central da Tailândia, uma nação demaioria budista. O deputado Majamudeen Umar, do partido do primeiro-ministroThaksin Shinawatra, foi indiciado por 12 crimes, todos ligados aum ataque contra um acampamento do Exército em 4 de janeiro.Quatro soldados morreram no incidente e cerca de 300 fuzis foramroubados. Na abertura de seu julgamento, Umar declarou-se inocente. Opolítico, natural de Narathiwat, corre o risco de ser condenadoà morte pelos crimes. O julgamento começou apenas dois dias antes de a Câmara dosRepresentantes sair do recesso parlamentar. Os deputados gozamde imunidade parlamentar nas épocas do ano que a Câmara está ematividade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.