NARONG SANGNAK/ EPA/ EFE
NARONG SANGNAK/ EPA/ EFE

Tailândia condena dois jovens à prisão por peça que 'insultava a monarquia'

Patiwat Saraiyaem, de 23 anos, e Porntip Mankong, de 26 anos, ficarão dois anos e meio detidos por encenação de 2013

O Estado de S. Paulo

23 de fevereiro de 2015 | 09h52

 

A Justiça tailandesa condenou à prisão dois jovens acusados de insultar a monarquia durante uma peça apresentada na universidade Thammasat, em Bangcoc. A sentença de dois anos e meio foi dada ao estudante Patiwat Saraiyaem, de 23 anos, e à ativista Porntip Mankong, de 26 anos, pela apresentação feita em outubro de 2013.

A peça, que lembrava os 40 anos dos protestos pró-democracia reprimidos pelo regime militar em 1973, foi considerada danosa à imagem da monarquia tailandesa. “A Corte considera que suas ações em uma obra representada diante de um público numeroso causou um grave prejuízo à monarquia”, disse o juiz. 

A leitura do veredito no tribunal foi acompanhada por representantes da ONU e da União Europeia, que consideram o caso um exemplo de repressão contra a liberdade de expressão. Os réus acompanharam o julgamento com os pés algemados.

A obra 'A Noiva do Lobo' é uma sátira sobre um reino fictício, o que causou polêmica no país do Sudeste Asiático.

Além dos jovens condenados, a polícia busca outros seis membros da companhia Prakai Fai, dos quais dois estão exilados. Eles são acusados de violar a lei de lesa-majestade, conhecida como o “artigo 112”,  que pode levar a penas de até 15 anos de prisão por insultos ao rei, à rainha ou aos seus herdeiros. 

O rei tailandês, Bhumibol Adulyadej, de 87 anos, é reverenciado em todo o país como um semideus e está protegido por uma das leis de difamação real mais severas do mundo. /AFP

Tudo o que sabemos sobre:
TailândiamonarquiaBangcoc

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.