AP Photo/Sakchai Lalit
AP Photo/Sakchai Lalit

Tailândia cumpre primeira pena de morte em nove anos

Homem que havia esfaqueado vítima para roubar seu celular em 2012 foi executado com uma injeção letal

O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2018 | 14h46

BANGCOC - A Tailândia cumpriu a primeira pena de morte no país em nove anos. Um homem que matou um adolescente para roubar seu celular foi executado na segunda-feira 17, causando críticas de grupos de direitos humanos. Theerasak Longji tinha 26 anos e foi executado com uma injeção, no cumprimento da pena que recebeu por homicídio qualificado. Em 2012, ele esfaqueou a vítima 24 vezes para roubar seu celular.

Esta foi a primeira execução no país desde que dois narcotraficantes foram condenados à morte em agosto de 2009, afirmou a Anistia Internacional em comunicado, classificando a medida como "deplorável".

+ EUA estudam adotar uso de nitrogênio em execuções

Theerasak foi o sétimo condenado a ser executado por injeção letal desde que a Tailândia substituiu o método anterior, quando os condenados eram mortos por um pelotão de fuzilamento. Desde 1930, 326 pessoas foram executadas no país, informou o Departamento de Correções.

+ Execuções por pena de morte atingem nível mínimo em 2017; África lidera redução

O órgão disse, na segunda-feira, que a pena de Theerasak deve servir de exemplo àqueles que pensam em cometer crimes graves. "Mesmo que muitos países tenham abolido a sentença de morte, ainda há muitos outros que a usam, como Estados Unidos e China. Eles se concentram na proteção da sociedade e dos cidadãos, para que não se tornem vítimas dos crimes e fiquem acima dos direitos humanos daqueles que violaram a lei", disse o comunicado.

+ Índia dá sinal verde à pena de morte para estupradores de menores de 12 anos

Segundo a Anistia Internacional, a execução foi um grande revés para o país. "Esta é uma violação deplorável do direito à vida", disse a ativista da Anistia Internacional na Tailândia, Katherine Gerson. "A Tailândia está surpreendentemente renegando seu compromisso de avançar rumo à abolição da pena de morte e rumo à proteção do direito à vida." / AP

Mais conteúdo sobre:
Tailândia [Ásia]pena de morte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.