Tailândia declara área de desastre em províncias

A Tailândia declarou hoje que um terço das províncias do país são áreas de desastre, enquanto a Toyota Motor informou que interromperá suas operações até o próximo sábado após ter a produção afetada pela pior inundação do país em décadas. A decisão do governo visa acelerar os esforços para levar alívio às áreas atingidas.

AE, Agência Estado

12 de outubro de 2011 | 14h19

As inundações, que começaram em julho, provocaram 281 mortes e destruíram milhares de casas e víveres. "O governo anunciou que todas as províncias afetadas pelas enchentes são áreas críticas de desastre, o que permitirá que os governadores tenham mais autoridade para distribuir produtos e gerenciar seus orçamentos", afirmou o vice-premiê Yongyuth Wichaidit.

Atualmente, 26 das 77 províncias foram afetadas, enquanto Bangcoc, a capital do país, se prepara para receber um grande fluxo de água na cidade em meados de outubro, quando as marés mais altas devem dificultar a vazão da água para o mar.

A primeira-ministra do país, Yingluck Shinawatra, afirmou que as pessoas que moram fora das áreas protegidas devem se preparar para enchentes. Autoridades ampliaram as defesas para as enchentes no principal aeroporto e em outras áreas para proteger a cidade de 12 milhões de habitantes. Muitos dos moradores estão se munindo de sacos de areia, alimentos não perecíveis e outros itens essenciais.

"Se a região central de Bangcoc inundar, será com um nível menor de água, mas nós devemos nos preocupar com aqueles que vivem nas áreas que ficam fora das barreiras", afirmou a premiê.

A Toyota Motors afirmou que suspendeu temporariamente a sua produção até o dia 15 de outubro. Outras montadoras também já haviam anunciado paralisação de atividades, como a Honda, Mitsubishi e Ford.

A Western Digital, fabricante de disco rígido, informou que sua produção será afetada no atual trimestre por causa das enchentes na Tailândia, onde produziu 60% de seus 54 milhões de discos rígidos no quarto trimestre fiscal encerrado em 1 de julho.

A ON Semiconductor e a Microsemi, duas fabricantes norte-americanas de chips, também interromperam sua produção na Tailândia, após danos provocados em suas fábricas.

As chuvas na Tailândia contribuíram para dar suporte aos preços do açúcar no início da semana, já que o país asiático é o segundo maior exportador de açúcar depois do Brasil. Hoje, a Bolsa de Bangcoc subiu 0,84%. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
chuvasdesastreTailândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.