Tailândia detém libanês suspeito de terrorismo

Autoridades tailandesas informaram nesta sexta-feira que detiveram um libanês por suspeita de ligação com o grupo militante Hezbollah, depois que os Estados Unidos advertiram sobre uma ameaça terrorista no país.

AE, Agência Estado

13 de janeiro de 2012 | 11h11

"Terroristas estrangeiros podem estar tentando realizar ataques contra áreas turísticas em Bangcoc no futuro próximo", disse a embaixada dos Estados Unidos na capital tailandesa em mensagem de emergência postada em seu site.

"Pedimos aos cidadãos norte-americanos que tenham cautela ao visitarem áreas públicas onde exista a reunião de grandes grupos de turistas ocidentais em Bangcoc."

Um graduado funcionário do serviço de inteligência tailandês, que não quis revelar seu nome, disse que o país foi informado antes do ano novo por Israel sobre uma possível ameaça. O homem foi detido na quinta-feira, mas outro suspeito já havia deixado o país, disse a fonte.

O vice-primeiro-ministro da Tailândia, Chalerm Yubamrung, disse por telefone que o suspeito detido estava sendo interrogado por autoridades tailandesas. "Nós já temos um suspeito sob custódia para interrogatório num prédio do governo em Bangcoc. Ele é um integrante do Hezbollah, do Líbano", disse ele.

"Quero assegurar às pessoas que não há nada com o que se preocupar. A polícia vai cuidar da situação e tudo vai ficar sob controle."

O Hezbollah, grupo xiita apoiado pela Síria e pelo Irã, é considerado uma organização terrorista por Washington e atualmente domina o governo do Líbano.

"Israel suspeita que esses dois homens possam ser terroristas, então nos passou a informação, incluindo seus nomes, para a nossa polícia antes do ano novo", afirmou o funcionário da inteligência. O suspeito negou envolvimento com qualquer atividade terrorista, acrescentou ele.

"Estes dois homens entraram na Tailândia há algum tempo, mas não realizaram qualquer atividade terrorista. Eu me pergunto por que Israel suspeita deles." As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.