Tailândia extradita 'Mercador da Morte' para EUA

O suposto traficante de armas Viktor Bout, conhecido como o "Mercador da Morte", seguiu hoje de Bangcoc para os Estados Unidos, disse o coronel na Tailândia Supisarn Bhakdinarunart. O país asiático aprovou a extradição de Bout, baseando-se em acusações de terrorismo. "Bout já deixou o solo tailandês", disse o policial. A partida dele ocorreu no início da tarde (horário local) do aeroporto Don Mueang. "Ele partiu em um jato dos EUA escoltado por seis agentes", afirmou Supisarn.

AE, Agência Estado

16 de novembro de 2010 | 11h04

Bout, um ex-piloto da Aeronáutica da União Soviética, hoje com 43 anos, brigava judicialmente para evitar a extradição desde março de 2008, quando foi preso após uma operação em Bangcoc que envolveu agentes dos EUA disfarçados como rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O suposto traficante é acusado de fornecer armas usadas em guerras civis ocorridas na América do Sul, no Oriente Médio e na África, tendo clientes como Charles Taylor, da Libéria, e o dirigente líbio Muamar Kadafi.

A Rússia se mostrava publicamente contrária à extradição. Havia relatos de que tanto Washington quanto Moscou pressionavam o governo do primeiro-ministro Abhisit Vejjajiva no caso. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.