Tailândia planeja eleição no primeiro semestre se paz prosseguir

A Tailândia pode realizar eleições em junho, disse nesta quarta-feira o primeiro-ministro Abhisit Vejjajiva, que enfrentará o primeiro teste a sua popularidade desde que assumiu o poder há três anos, após uma eleição parlamentar.

AMBIKA AHUJA, REUTERS

09 de fevereiro de 2011 | 14h27

As eleições serão as mais importantes em uma década, representando uma oportunidade para curar feridas de décadas de divisões sociais ou levar o país de 67 milhões de habitantes a um caos ainda maior após os protestos violentos do ano passado que paralisaram Bangcoc e resultaram na morte de 91 pessoas.

O analista político Sukhum Nuansakul disse que há mais questões em jogo do que em qualquer momento desde o golpe de 2006 que derrubou o então primeiro-ministro Thaksin Shinawatra e mergulhou a Tailândia em cinco anos de crise entre a maioria pobre e a elite.

"Temos que acompanhar de perto como os agentes vão reagir após a eleição, porque seja como for, haverá descontentamento e possivelmente novas e mais fortes manifestações nas ruas", disse Sukhum, ex-professor da Universidade Ramkhamhaeng, em Bangcoc.

Manifestantes antigoverno "camisas vermelhas", formados na maioria pela classe operária, ocuparam as ruas de Bangcoc por 10 semanas no ano passado cobrando por eleições. Eles acusam o partido de Abhisit de ter assumido o governo de forma ilegítima em 2008, com ajuda do governo militar.

Uma eleição este ano seria bastante apertada, e os resultados provavelmente serão contestados. O Partido Democrata, de Abhisit, não ganha uma eleição há duas décadas, mas a oposição está fragmentada e sofre com muitas disputas internas.

Tudo o que sabemos sobre:
TAILANDIAELEICOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.