Tailândia: premiê planeja reunião com exército

O primeiro-ministro interino da Tailândia, Niwattumrong Boonsongpaisan, disse nesta terça-feira que o governo planeja se reunir com o chefe do Exército, general Prayuth Chan-ocha, esta semana para tratar da declaração da lei marcial.

AE, Agência Estado

20 Maio 2014 | 12h33

Entre outras questões, o governo pretende discutir com o exército a segurança do país e a realização de uma nova eleição geral, disse Niwattumrong em uma entrevista. "Se temos uma cooperação por parte do exército, será um fator positivo para fazer uma nova eleição de sucesso", disse ele.

"O governo ainda tem de continuar com suas funções como indicado na Constituição, mesmo após a declaração da lei marcial", disse ele a jornalistas.

Niwattumrong disse que o Exército tinha informado o governo sobre o uso da lei marcial, acrescentando que o gabinete interino confia "que o exército vai operar dentro das leis".

O governo propôs uma nova eleição em 3 de agosto, mas é necessário para obter um acordo com a Comissão Eleitoral do país. A eleição de 2 de fevereiro foi parcialmente interrompida por manifestantes antigovernamentais e invalidada pelo Tribunal Constitucional no mês seguinte. Fonte: Associated Press.

Reação internacional

Pelo menos onze países emitiram alertas aos seus cidadãos vivem na Tailândia ou viajam para o país depois da declaração da lei marcial.

Entre outros, o governo dos EUA pediu aos seus cidadãos que "fiquem alerta, tenham cuidado e monitorem a cobertura da mídia" e para "evitarem áreas onda há protestos, grandes encontros ou operações de segurança". Já o da Austrália avisou que os cidadãos que vivem na Tailândia "exerçam um alto grau de cautela ao viajar em todo o país, devido à possibilidade de distúrbio civis".

O Reino Unido disse que estava "olhando para as implicações" da invocação da lei marcial e o Japão afirmou que está "observando a situação na Tailândia com preocupação" e que "encoraja fortemente todos os partidos exerçam moderação e se abstenham da violência". Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Tailândia exército lei marcial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.