Tailândia prende homem que inspirou 'O Senhor das Armas'

Viktor Bout, retratado no cinema por Nicolas Cage, era o maior traficante de armas ilegais do mundo

REUTERS

06 de março de 2008 | 15h32

Viktor Bout, um negociador internacional de armas conhecido como o "Mercador da Morte", foi detido na Tailândia, na quinta-feira, sob a acusação de tentar comprar armamentos para guerrilheiros da Colômbia, disse a polícia do país asiático.  Ele inspirou o papel de Nicolas Cage como o maior traficante de armas ilegais do mundo, no filme O Senhor das Armas, escrito e dirigido pelo neozelandês Andrew Niccol, autor também de O Show de Truman. Bout, alvo de um mandato internacional de prisão e de sanções impostas pelos Estados Unidos, foi encontrado em um hotel de Bangcoc após entrar na Tailândia no dia 29 de fevereiro. A polícia do país continuava realizando buscas por um cúmplice dele. O negociante tentava "encomendar armas para os rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc)", afirmou a polícia tailandesa em um relatório sobre a prisão. As Farc travam há mais de quatro décadas um conflito com as forças do governo colombiano. Bout dirige uma rede de empresas de transporte aéreo que atua no Oriente Médio, na África, no Leste Europeu e nos EUA. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) e o Departamento do Tesouro norte-americano, o comerciante vendeu armas ou intermediou a venda de armas que ajudaram a alimentar conflitos no Afeganistão, em Angola, na República Democrática do Congo, na Libéria, em Ruanda, em Serra Leoa e no Sudão. Em 2006, o Departamento do Tesouro dos EUA apreendeu aviões de carga do comerciante e congelou outros bens. Bout - um ex-oficial da Força Aérea soviética, nascido no Tadjiquistão em 1967, segundo informações vindas da Rússia - negou várias vezes as acusações. Stephan Rapp, procurador-geral da corte de crimes de guerra que funciona em Serra Leoa com o apoio da ONU, recebeu com satisfação a notícia da prisão dele: "Essa é uma notícia muito positiva para a Justiça e para os órgãos internacionais de segurança." Rapp acusou Bout de usar sua rede internacional para contrabandear armas da Libéria para Serra Leoa, país em guerra civil de 1991 a 2002, um conflito no qual morreram mais de 50 mil pessoas. Segundo o procurador-geral, Bout pode ser denunciado formalmente pela Corte Especial de Serra Leoa se doadores da comunidade internacional fornecerem fundos para tanto. A corte deve encerrar seus trabalhos em 2009. "Esse tipo de caso precisa abranger não apenas os políticos e os combatentes, mas as pessoas que fornecem armas de guerra," afirmou. "E essa é uma grande oportunidade para isso." Rapp disse que Bout poderia ainda testemunhar no julgamento do ex-presidente liberiano Charles Taylor, em Haia. Taylor é acusado de crimes contra a humanidade cometidos durante a guerra civil em Serra Leoa. (Reportagem de Nopporn Wong-Anan; colaborou Katrina Manson, em Freetown)

Tudo o que sabemos sobre:
TAILANDIAARMASPRESO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.