Tailândia segue investigando morte de jornalista da Reuters

Investigadores tailandeses disseram nesta segunda-feira que ainda estavam tentando determinar quem matou o cinegrafista da Reuters Hiro Muramoto no ano passado, após terem descartado a suspeita inicial de que um soldado provavelmente teria disparado o tiro.

REUTERS

28 de fevereiro de 2011 | 12h27

Muramoto, um japonês de 43 anos, foi morto por uma bala de alta velocidade em seu peito enquanto cobria os confrontos entre manifestantes "camisas-vermelhas" contrários ao governo e tropas tailandesas em Bangcoc, em 10 de abril do ano passado.

Segundo testemunhas em uma investigação preliminar, o tiro veio da direção das tropas, mas autoridades agora alegam que o tipo de bala não correspondia ao armamento utilizado pelos soldados.

Investigadores tailandeses concluíram que a bala que provocou a morte do cinegrafista era de um calibre 7.62 mm, enquanto os soldados estavam armados com fuzis M-16 que disparam balas de 5.56 mm, disse o diretor-geral do Departamento Especial de Investigações (DSI) em coletiva de imprensa.

"A bala que acertou Muramoto era de 7.62 mm e não do M-16 usado pelos oficiais", disse Tharit. "Pode ter sido um AK-47 ou algo parecido... mas exatamente quem atirou nele, ainda não posso responder nesse momento. Precisamos de maiores investigações".

Imagens de televisão mostraram tropas atirando na direção de centenas de manifestantes, enquanto soldados foram alvo de ataque de granadas. Atiradores misteriosos vestidos de preto foram filmados entre os manifestantes.

(Por Chalathip Thirasoonthrakul)

Tudo o que sabemos sobre:
TAILANDIAJORNALISTAINVESTIGA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.