Taiwan nega ter desmontado peças de mísseis dos EUA

O ministro da Defesa de Taiwan, TsaiMing-hsien, disse na quinta-feira que a ilha não desmontou paraexaminar as peças para mísseis nucleares enviadas por enganopelos EUA, num incidente que irritou a China e constrangeuWashington. O Pentágono deveria ter enviado baterias para helicópterosa Taiwan, mas em vez disso mandou fusíveis usados no sistema dedetonação dos mísseis Minuteman, disse o Pentágono naterça-feira. Taiwan devolveu as peças aos EUA na semanapassada. Autoridades norte-americanas disseram que não houveenvio de material nuclear. Em sessão do Parlamento, o deputado nacionalista LinYu-fang perguntou ao ministro Tsai se as peças haviam sidoexaminadas pelo Instituto Chung-San de Ciência e Tecnologia,centro de pesquisas da indústria bélica. "Até onde eu sei,não", respondeu o ministro. Para Lin, isso seria o equivalente a olhar os dentes de umcavalo dado. Taiwan já desenvolveu várias armas por contaprópria, muitas vezes com ajuda dos EUA, porque muitos paísesse negam a vender armas à ilha devido à pressão da Chinacontinental. "Às vezes não dá para ter presentes caídos do céu",replicou o ministro. A China, que considera Taiwan uma mera "província rebelde",pediu aos EUA que investiguem o incidente e parem de venderarmas à ilha. Os EUA não mantêm relações diplomáticas com Taipé desde1979, mas por lei deve ajudar na defesa da ilha. Essa foi a segunda confusão constrangedora do Pentágono emmenos de um ano. Em agosto de 2007, um bombardeiro da ForçaAérea transportou por engano ogivas nucleares sobre oterritório norte-americano. O Pentágono disse que ainda não sabe quem enviou as peçaserradas a Taiwan e por quê. Esses fusíveis enviam um sinal eletrônico ao dispositivoque inicia o processo de detonação da arma nuclear. Ele éconsiderado um equipamento estratégico, cujo estoque precisaser monitorado trimestralmente. Sabe-se agora que os quatro fusíveis, que em nada parecembaterias de helicópteros, foram guardados erroneamente numarmazém não-secreto. Foram embarcados para Taiwan no final de2006 e estavam guardados desde então. (Reportagem de Ben Blanchard)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.