Taiwan prolonga prisão preventiva de ex-presidente

Chen Shui-bian deve permanecer detido por mais dois meses devido a corrupção e lavagem de dinheiro

Efe,

19 de junho de 2010 | 05h27

TAIPÉ - O Tribunal Superior de Taiwan prolongou a detenção preventiva do ex-presidente Chen Shui-bian, preso desde o dia 30 de dezembro de 2008, por corrupção e lavagem de dinheiro.

Chen deverá permanecer em prisão pelo menos dois meses mais, de acordo com a decisão, nesta sexta-feira, dos mesmos juízes que, há uma semana, reduziram para 20 anos sua pena de prisão perpétua.

O ex-presidente e sua esposa, Wu Shu-chen, foram condenados em primeira instância à prisão perpétua em 2009, mas a sentença foi comutada no dia 11 de junho, em segunda instância, para apenas 20 anos.

Os juízes taiwaneses pediram a Chen que remeta a Taiwan os US$ 23 milhões depositados em contas correntes no estrangeiro em nome de seus parentes.

O ex-presidente taiwanês já transferiu mais da metade dos fundos em contas correntes estrangeiras e assegura que está no processo de repatriar todos os fundos.

O ex-presidente assegura que os fundos no estrangeiro procedem de contribuições políticas e que o uso de fundos oficiais com recibos falsos aconteceu porque estavam destinados à diplomacia secreta da ilha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.