Taiwaneses criticam reação do governo a tufão

Presidente é hostilizado durante visita a sobreviventes

NYT, AFP e AP, TAIPÉ, O Estadao de S.Paulo

14 de agosto de 2009 | 00h00

Se o presidente de Taiwan, Ma Ying-jeou, imaginava que seria tratado respeitosamente em sua visita aos sobreviventes do tufão Morakot, ele não podia estar mais enganado. No momento em que pisou em um campo de futebol que servia de pista de pouso para os helicópteros de resgate, Ma foi cercado por moradores furiosos, que o acusavam de não agir rápido o suficiente para ajudar as pessoas que ficaram isoladas após a passagem do Morakot, no fim de semana. Enquanto o presidente era insultado pelos sobreviventes, uma chuva torrencial começou a cair e ele ficou ensopado - tudo transmitido ao vivo pela TV. Em outra ocasião, ele prometeu uma escavadeira para um camponês e, dias depois, o homem deu uma entrevista à TV dizendo que não tinha recebido a máquina e precisou alugar uma. Com cenas como essas, o tufão transformou-se em um teste crucial para o presidente, do tipo que pode acabar completamente com sua carreira. Ex-prefeito de Taipé, Ma foi eleito no ano passado com uma alta margem de popularidade, mas já vinha perdendo apoio mesmo antes do Morakot.Autoridades taiwanesas finalmente se pronunciaram sobre os desaparecidos do vilarejo de Hsiao Lin, onde havia relatos de até 600 desaparecidos. "Cerca de 300 pessoas estão desaparecidas e, provavelmente, morreram nos deslizamentos de terra em Hsiao Lin. Estamos bastante pessimistas", disse Yang Chiu-hsin, juiz do local. A cidade foi a mais castigada pelo furacão e ficou praticamente enterrada após o deslizamento. O número de mortos em Taiwan já chega a 200. Diante das críticas, o governo de Ma reforçou o resgate, enviando mais 4 mil soldados para ajudar os 14 mil que já estavam em campo. Segundo Taipé, quase 15 mil pessoas já foram resgatadas. No vilarejo de Sinfa, socorristas tiveram de usar um cabo de 30 metros para resgatar os sobreviventes. Em estado de choque, os moradores (entre eles um menino e uma senhora) foram suspensos para o outro lado do Rio Ba Si Lan. A ponte que havia no local foi destruída pelo Morakot.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.