Talabani chega ao Irã para conversas com Ahmadinejad

O presidente iraquiano, Jalal Talabani, chegou a Teerã nesta segunda-feira, 27, para se encontrar com seu colega iraniano, o presidente Mahmoud Ahmadinejad. A visita acontece em meio aos crescentes pedidos para que Washington aceite a ajuda do Irã para acalmar a violência no vizinho Iraque. "Talabani chegou a Teerã nesta tarde como o chefe da delegação", disse uma rede de televisão estatal iraniana. O Irã tenta organizar uma cúpula conjunta com os presidentes da Síria, Bashar Assad, e do Iraque, em meio confirmações do papel de Teerã como o principal mediador de poderes da região. Talabani planejara ir à Teerã no sábado, mas adiou sua viagem depois que o aeroporto de Bagdá foi fechado por causa da onda de violência sectária que atingiu o Iraque nos últimos dias. Mas assim que o governo Talabani suspendeu totalmente um toque de recolher de três dias na capital, a violência voltou a Bagdá. Esta é a quarta viagem de Talabani ao Iraq desde que assumiu o cargo. O presidente iraquiano fala farsi fluentemente, e, embora seja membro da minoria curda, tinha fortes laços com autoridades iranianas antes da queda de Saddam Hussein. O iraquiano foi recebido pelo próprio Ahmadinejad no Palácio Presidencial do Irã e os dois presidentes devem começar as negociações no começo da noite local, disse uma emissora de TV iraniana. Os EUA têm se recusado a negociar com o Irã e a Síria para buscar apoio visando a estabilidade no Iraque, acusando Teerã e Damasco de auxiliar grupos insurgentes em solo iraquiano. Autoridades iranianas confirmaram que o convite foi estendido a Assad, mas a Síria ainda não respondeu. O Irã é o aliado mais próximo da Síria e uma rejeição ao convite seria algo incomum, mas estima-se que Damasco pode estar mais preocupada em irritar os EUA do que em se unir a Ahmadinejad em uma tentativa de assegurar sua influência no Iraque. Americanos no Iraque Um bombardeiro F-16CG com um piloto a bordo caiu nesta segunda-feira enquanto fornecia apoio a soldados dos EUA em combates na província de Anbar, um bastião da insurgência sunita, informou o Exército dos EUA. A aeronave dava cobertura a tropas em terra quando caiu por volta das 13h35 (locais) a cerca de 32 km a noroeste de Bagdá. Não houve informações imediatas sobre a causa da queda nem sobre o destino do piloto. O major general William Caldwell, porta-voz militar dos EUA, disse duvidar que o F-16 tenha sido derrubado, já que o aparelho voa em alta velocidade e até agora não encontrou armamento no Iraque capaz de abatê-lo. A polícia e testemunhas relataram que tropas dos EUA mataram a tiros 11 civis e feriram outros cinco na noite de domingo, 26, em Husseiniya, um subúrbio 20 km a nordeste de Bagdá. O Exército dos EUA anunciou nesta segunda que três de seus soldados morreram e dois ficaram feridos em combates no domingo em Bagdá, o dia em que o governo iraquiano começou a suspender o toque de recolher para permitir que os iraquianos saíssem a pé de casa para comprar alimentos em mercados próximos. Pelo menos 2.878 militares dos EUA já morreram desde o início da guerra no Iraque em março de 2003. Conteúdo atualizado às 19h14

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.