Mohammed Ameen/Reuters
Mohammed Ameen/Reuters

Talabani diz que não foi consultado em ordem de detenção de vice-presidente do Iraque

Presidente pediu 'uma solução política às causas sobre as quais há discórdia'

Efe,

20 de dezembro de 2011 | 10h26

BAGDÁ - O presidente iraquiano, o curdo Jalal Talabani, se queixou nesta terça-feira, 20, que não foi nem informado nem consultado sobre a ordem de detenção emitida na segunda contra o vice-presidente sunita do Iraque, Tareq al Hashemi.

Um comunicado da presidência iraquiana informou que Talabani foi "surpreendido" quando soube do anúncio de uma ordem de prisão contra Al Hashemi e da detenção de alguns de seus seguranças.

"Pelo perigo destes fatos, o presidente da República se pôs rapidamente em contato com todas as partes políticas, parlamentares e governamentais", aponta a nota, que lembra que tudo o que afeta o vice-presidente repercute diretamente na presidência.

Durante esses contatos, Talabani pediu que se respeite o trabalho da Justiça e sua independência, "sem ignorar a possibilidade de uma solução política às causas sobre as quais há discórdia".

O porta-voz do Ministério do Interior, general Adel Daham, informou em entrevista coletiva concedida na segunda-feira da ordem de detenção contra Al Hashemi, acusado de crimes relacionados com o terrorismo.

Daham apresentou os depoimentos de três detidos, entre eles dois policiais, que afirmaram que trabalhavam para Al Hashemi, que teria dado a eles instruções para executar operações terroristas aprovadas em seguida pelo próprio vice-presidente.

Após o anúncio, o bloco político de Al Hashemi, Al Iraqiya, decidiu boicotar as reuniões do governo de união nacional, no qual tem oito ministros.

No último sábado, o Al Iraqiya resolveu suspender sua participação no Parlamento pela politização da Justiça, o descumprimento da Constituição e o sectarismo da forças de segurança, entre outros motivos. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
TalabaniIraqueCurdosxiitassunitas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.