Reuters
Reuters

Taleban afegão está disposto a intensificar via política

Milícia afirmou que diálogo é uma tentativa de 'estabelecer um Governo islâmico'

Efe,

12 de janeiro de 2012 | 08h35

CABUL - Os talebans afegãos reconheceram nesta quinta-feira, 12, que vão intensificar a via política para alcançar um entendimento com a comunidade internacional, mas revelaram que manterão a "jihad" (guerra santa) e as atividades bélicas.

Veja também:

linkPolícia do Paquistão encontra 10 corpos de soldados do país sequestrados

 

Em comunicado emitido nesta quinta-feira, a milícia insurgente afirmou que o diálogo com a comunidade internacional se inscreve em sua tentativa de "estabelecer um Governo islâmico", e que este não representará a aceitação da atual Constituição afegã.

"Para trazer a paz e a estabilidade ao Afeganistão, aumentamos nossos esforços políticos para chegar a um entendimento com o mundo e resolver a presente situação", afirmam os talebans em sua nota.

"Este entendimento não significa que abandonemos a 'jihad' nem está vinculado à aceitação da Constituição da administração do Governo títere de Cabul", acrescentam.

No início de janeiro, os talebans anunciaram pela primeira vez sua disposição em negociar com a comunidade internacional através da abertura de um escritório de representação no emirado islâmico do Catar, onde ficam vários de seus representantes.

As negociações contam com o sinal verde do Governo afegão e da Administração americana, que condicionou o processo de reconciliação ao rompimento dos talebans com a al-Qaeda, ao abandono da violência e aceitação da Constituição afegã.

O regime taleban foi derrubado em 2001 por tropas dos Estados Unidos e suas milícias lutaram desde então para retirar do país os exércitos estrangeiros e derrubar o Governo do atual presidente, Hamid Karzai. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
TalibãEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.