Taleban ameaça atacar locais de votação na eleição do dia 20

Governo anuncia cessar-fogo, mas promete defender eleitores se grupo radical tentar impedir votação

Reuters,

16 de agosto de 2009 | 12h18

Apesar das ameaças do grupo extremista Taleban de atrapalhar as eleições presidenciais, o governo do Afeganistão anunciou que fará um cessar-fogo nas operações contra os insurgentes na próxima quinta-feira. O ministro da Defesa Abdul Rahim Wardak disse ter ordenado às forças de segurança afegãs "que evitassem qualquer tipo de operação ofensiva" no dia 20. Ele avisou, no entanto, que, se atacados, os eleitores e locais de votação serão defendidos.

 

 

Nos últimos dias, o governo sugeriu que teria feito um acordo com o Taleban para evitar confrontos no dia da segunda eleição presidencial do país desde a invasão dos EUA e aliados em 2001. Mas neste domingo, o Taleban negou qualquer acordo e ameaçou os eleitores: "Para evitar que hajam feridos, nós estamos avisando às pessoas que não compareçam aos locais de votação e não cheguem perto das forças afegãs e estrangeiras, pois nós realizaremos ataques suicidas ou mesmo ataques diretos a elas", afirmou um porta-voz do grupo extremista.

 

 

A eleição ocorre num período de escalada dos ataques do Taleban no país e é um teste crucial tanto para o governo central em Cabul quanto para os EUA, que colocou milhares de soldados em alerta máximo para garantir a eleição. O atual presidente Hamid Karzai é candidato à reeleição e, apesar do favoritismo, pode enfrentar um segundo turno.

 

O Taleban, que governava o Afeganistão, foi derrubado por uma ampla coalizão liderada pelos EUA após os ataques terroristas de Onze de Setembro em Nova York e Washington. Os atentados foram realizados pela rede terrorista Al Qaeda, que, na época, usava o Afeganistão como sua principal base de operação.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.