Taleban ameaça promover novos seqüestros de estrangeiros

Grupo radical islâmico responsabiliza George W. Bush e presidente afegão, Hamid Karzai, por impasse diplomático

Associated Press e Agência Estado,

06 de agosto de 2007 | 10h58

O Taleban continuará seqüestrando estrangeiros no Afeganistão, ameaçou nesta segunda-feira um porta-voz da milícia fundamentalista islâmica. Ao mesmo tempo, médicos enviaram remédios ao Taleban para tratar pessoas doentes que integram um grupo de religiosos sul-coreanos seqüestrados há três semanas pela milícia.   Veja também:  Seul pede ajuda de ONGs islâmicas na negociação com Taleban  Após contato com reféns, Seul busca diálogo com Taleban   Qari Yousef Ahmadi, que em contatos com a imprensa identifica-se como porta-voz do Taleban, disse à Associated Press que a vida dos 21 reféns sul-coreanos ainda mantidos pelos grupo está nas mãos dos presidentes do Afeganistão, Hamid Karzai, e dos Estados Unidos, George W. Bush.   "Karzai e Bush serão os responsáveis pelo que quer que aconteça com os reféns", comentou Ahmadi. Bush e Karzai estão reunidos em Camp David, no Estado americano de Maryland. Enquanto isso, um porta-voz do governo sul-coreano alertou contra as expectativas criadas em torno dos dois dias de encontros entre Bush e Karzai.   "É a posição de nosso governo de que devemos continuar trabalhando à parte da cúpula com o objetivo de solucionar a questão dos reféns. É inadequado ter expectativas prematuras ou superestimar possíveis resultados da cúpula", disse Cheon Ho-sun, o porta-voz, em Seul.   Um médico afegão que tem uma clínica particular disse ter enviado ontem o equivalente a US$ 2.000 em antibióticos, vitaminas e kits de primeiros socorros à zona rural de Ghazni para que os medicamentos cheguem aos reféns.   Há informações de que duas reféns sul-coreanas estão extremamente doentes. O doutor Mohammad Hashium Wahwaj disse ter recebido informações segundo as quais o Taleban recebeu os medicamentos por ele enviados.   Vinte e três religiosos sul-coreanos foram seqüestrados pelo Taleban em 19 de julho. Dois homens do grupo original de reféns foram executados. Dos 21 reféns restantes, 16 são mulheres. Para soltar os reféns, o Taleban exige a libertação de 23 militantes detidos em penitenciárias afegãs. O governo afegão nega-se a atender às exigências do Taleban. Seul vem pedindo a Cabul que flexibilize sua posição e negocie em favor da vida dos reféns. Ahmadi avisou que a recusa do governo afegão em negociar não impedirá o Taleban de continuar seqüestrando estrangeiros.   Matéria alterada às 11h55.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.