Wakil Kohsar / AFP
Wakil Kohsar / AFP

Taleban anuncia ‘anistia’ e pede que mulheres participem do governo

Apesar de relatos de perseguição à mulheres no país, grupo radical tenta convencer população islâmica que adotou tom mais moderado

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2021 | 09h10

CABUL - O Taleban declarou uma "anistia" em todo o Afeganistão e pediu às mulheres que se juntassem ao seu governo nesta terça-feira, tentando convencer uma população apavorada de que os insurgentes mudaram. A medida foi anunciada um dia depois que um caos tomou conta do aeroporto de Cabul enquanto multidões desesperadas tentavam fugir do país.

Após uma blitz em todo o Afeganistão que viu muitas cidades caírem nas mãos dos insurgentes sem lutar, o Taleban procurou se apresentar como mais moderado do que quando impôs uma interpretação radical da sharia, a lei islâmica, no final dos anos 1990. Mas muitos afegãos continuam céticos.

A volta do Taleban ao poder no Afeganistão — com a tomada de Cabul, no domingo, 15, sendo o golpe final de uma campanha militar fulminante — já alterou o modo de vida do povo afegão, especialmente das mulheres. Notícias de vilarejos tomados pelo grupo indicam que muitas mulheres foram retiradas de seus trabalhos e enviadas de volta para casa.

Relatos de pessoas que chegaram a Cabul antes do fim de semana confirmam que, mesmo antes de derrubar o governo, o Taleban começou a aterrorizar mulheres e meninas com ameaças de casamentos forçados, sequestro de mulheres e violência física em territórios já conquistados. Na semana passada, famílias da província de Takhar, que se deslocaram para Cabul em razão do avanço dos rebeldes, relataram que meninas que voltavam para casa em um riquixá motorizado foram detidas e chicoteadas por usarem "sandálias reveladoras".

As gerações mais velhas se lembram das visões islâmicas ultraconservadoras do Taleban, que incluíam severas restrições às mulheres, bem como apedrejamentos, amputações e execuções públicas antes de serem expulsos pela invasão liderada pelos EUA que se seguiu aos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

Embora não tenha havido grandes relatos de abusos ou combates na capital, Cabul, enquanto o Taleban agora patrulha suas ruas, muitos residentes ficaram em casa e continuam temerosos depois que a tomada de controle dos insurgentes viu as prisões esvaziadas e os arsenais saqueados. 

Muitas mulheres expressaram temor de que a experiência ocidental de duas décadas para expandir seus direitos e refazer o Afeganistão não sobreviveria ao ressurgimento do Taleban.

As promessas de anistia de Enamullah Samangani, membro da comissão cultural do Taleban, foram os primeiros comentários sobre como o grupo poderia governar em nível nacional. Suas observações permaneceram vagas, no entanto, já que o Taleban ainda está negociando com líderes políticos do governo destituído do país e nenhum acordo formal de transferência foi anunciado.

“O Emirado Islâmico não quer que as mulheres sejam vítimas”, disse Samangani, usando o nome dos militantes para o Afeganistão. “Elas deveriam estar na estrutura governamental de acordo com a sharia.”

Isso seria uma mudança marcante em relação à última vez em que o Taleban esteve no poder, quando as mulheres estavam quase sempre confinadas em suas casas.

Samangani não descreveu exatamente qual interpretação da shariah, a lei islâmica, o grupo iria adotar, sugerindo que as pessoas já sabiam as regras que o Taleban esperava que seguissem. Ele acrescentou que “todos os lados deveriam aderir” ao governo do grupo.

Também não ficou claro o que ele quis dizer com anistia, embora outros líderes do Taleban tenham dito que não buscarão vingança contra aqueles que trabalharam com o governo afegão ou com países estrangeiros. Mas alguns em Cabul alegam que combatentes do Taleban têm listas de pessoas que cooperaram com o governo e estão procurando por elas.

Rupert Colville, porta-voz do alto comissário das Nações Unidas para os direitos humanos, observou os votos do Taleban e o medo daqueles que agora estão sob seu governo.

“Essas promessas precisarão ser honradas e, por enquanto - mais uma vez, de forma compreensível, dada a história passada - essas declarações foram recebidas com algum ceticismo”, disse ele em um comunicado. “Houve muitos avanços duramente conquistados em direitos humanos nas últimas duas décadas. Os direitos de todos os afegãos devem ser defendidos ”.

Uma âncora de televisão feminina da emissora privada Tolo entrevistou um oficial do Taleban diante das câmeras na terça-feira em um estúdio. Enquanto isso, mulheres em hijabs manifestaram-se brevemente em Cabul, segurando cartazes exigindo que o Taleban não “elimine as mulheres” da vida pública.

Na terça-feira, o aeroporto internacional de Cabul, a única saída para muitos, reabriu para voos militares sob a vigilância de tropas americanas.

Todos os voos foram suspensos na segunda-feira, quando milhares de pessoas correram para o aeroporto, desesperadas para deixar o país. Em cenas chocantes capturadas em vídeo, alguns se agarraram a um avião enquanto ele decolou e depois caíram. Pelo menos sete pessoas morreram no caos, disseram autoridades americanas.

Stefano Pontecorvo, representante civil da OTAN no Afeganistão, postou um vídeo online mostrando a pista vazia com tropas americanas na pista. O que parecia ser um avião de transporte de carga militar pode ser visto à distância por trás de uma cerca de arame na filmagem.

“Vejo aviões pousando e decolando”, escreveu ele no Twitter. Durante a noite, dados de rastreamento de voo mostraram um avião militar dos EUA decolando para o Catar, lar do quartel-general avançado do Comando Central militar dos EUA. Um avião de carga militar britânico também voava para Cabul depois de decolar de Dubai. Outras aeronaves militares permaneceram no ar na região.

Mesmo assim, havia indícios de que a situação ainda era tênue. A Embaixada dos EUA em Cabul, agora operando no aeroporto, pediu aos americanos que se registrassem online para retiradas, mas não viessem ao aeroporto antes de serem contatados.

O Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, por sua vez, disse que o primeiro avião de transporte militar alemão pousou em Cabul, mas só poderia levar sete pessoas a bordo antes de ter que partir novamente devido ao caos contínuo no aeroporto.

Em todo o Afeganistão, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha disse que milhares foram feridos em combates enquanto o Taleban varria o país nos últimos dias. No entanto, em muitos lugares, as forças de segurança e os políticos entregaram suas províncias e bases sem luta, provavelmente temendo o que aconteceria quando as últimas tropas americanas se retirassem conforme planejado no final do mês.

Na segunda-feira, 16, Joe Biden, defendeu sua decisão de retirar as forças americanas e reconheceu as imagens "angustiantes" que se desenrolam em Cabul. Biden disse que enfrentou a escolha entre honrar um acordo de retirada previamente negociado ou enviar milhares de soldados de volta para começar uma terceira década de guerra.“Depois de 20 anos, aprendi da maneira mais difícil que nunca era um bom momento para retirar as forças dos EUA”, disse Biden em um discurso transmitido pela TV na Casa Branca.

As negociações continuaram na terça-feira entre o Taleban e vários funcionários do governo afegão, incluindo o ex-presidente Hamid Karzai e Abdullah Abdullah, que já chefiou o conselho de negociação do país. 

As discussões se concentraram em como um governo dominado pelo Taleban operaria devido às mudanças no Afeganistão nos últimos 20 anos, em vez de apenas dividir quem controlava quais ministérios, disseram autoridades com conhecimento das negociações. 

O presidente Ashraf Ghani fugiu do país em meio ao avanço do Taleban e seu paradeiro permanece desconhecido. / AP, AFP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão [Ásia]Talebanmulher

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.