Omar Sobhani/Reuters
Omar Sobhani/Reuters

Taleban ataca embaixada dos EUA e Otan no Afeganistão

Série de explosões e tiros puderam ser ouvidos no distrito que abriga embaixadas em Cabul

Reuters e Efe

13 Setembro 2011 | 07h36

CABUL - Um grupo de taleban provocou nesta terça-feira, 13, várias explosões no centro de Cabul junto à embaixada dos Estados Unidos e ao quartel-general da Otan, onde no início da tarde teve início um tiroteio, informou uma fonte policial à Agência Efe.

 

"Pôde ser escutada uma série de explosões seguidas de disparos. Estamos investigando os fatos", declarou o porta-voz da Polícia de Cabul, Hashmat Satanikzai.

 

Vários taleban estariam armados com lançadores de foguetes, AK-47s e coletes com bombas próximo ao distrito que abriga as embaixadas, uma região com forte segurança no centro de Cabul. Segundo um repórter da France Presse, o ataque começou com uma ação suicida contra prédios da inteligência local e estrangeira.

 

De acordo com a CNN, o Taleban já assumiu a responsabilidade. "Nossos insurgenets atacaram a cidade de Cabul", disse o porta-voz taleban Zabiullah Mujahid. "Os alvos eram a embaixada dos EUA, organizações governamentais e outras organizações estrangeiras".

 

A polícia informou que homens armados estavam disparando de um edifício alto em construção na praça Abdul Haq, que fica a cerca de 300 metros da embaixada norte-americana. Há várias outras missões estrangeiras na área.

 

Pelo menos um foguete caiu no prédio da Tolo TV, uma emissora privada, e outro perto de uma minivan que levava crianças para a escola.

 

Segundo o chefe da Unidade de Investigação Criminal de Cabul, Mohammad Zair, cinco taleban participaram do ataque. "Há cinco taleban envolvidos, mas eu não posso te dar mais detalhes porque a operação ainda está em andamento", disse.

 

Nadira Hayat Burhani, representante do Ministério da Saúde, disse que quatro civis ficaram feridos na ação e foram encaminhados a dois hospitais.

 

O Taleban lidera uma violenta insurgência no Afeganistão. Há atualmente cerca de 140 mil soldados estrangeiros no país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.