Taleban ataca Ministério da Justiça afegão; 19 morrem

Homens armados e suicidas invadem centro governamental de Cabul; outros ataques atingem a cidade

Associated Press e Efe,

11 de fevereiro de 2009 | 08h04

Militantes taleban, entre eles homens armados e suicidas, atacaram o Ministério da Justiça e outro prédio do governo afegão nesta quarta-feira, 11, matando 19 pessoas e ferindo 46, segundo afirmaram fontes do governo e do grupo terrorista. Os ataques coordenador, no coração de Cabul e nos arredores do palácio presidencial, foram promovidos durante a visita de Richard Holbrooke, enviado do presidente Barack Obama, na região.   Oito terroristas também morreram nos ataques, elevando o número de mortos para 25, segundo afirmou o porta-voz do Ministério da Defesa, general Mohammad Zahir Azimi. Segundo ele, todos os insurgentes usavam coletes suicidas, mas apenas três detonaram as bombas que levavam ao corpo.   O atentado mais violento ocorreu no departamento penitenciário de Khairkhana, no norte de Cabul, e foi cometido por dois suicidas que causaram a morte de sete pessoas e feriram 15, segundo a versão oficial do Ministério do Interior afegão. O segundo ataque ocorreu no Ministério da Justiça, situado no centro da capital e próximo ao palácio presidencial, depois que um segundo grupo de agressores conseguiu entrar no edifício e se entrincheirar no local. Cinco homens armados com rifles e granadas atacaram o Ministério da Justiça no fim da manhã. Um dos homens-bomba chegou a atacar o local. Eles foram mortos durante confronto com as forças de segurança.   Cerca de duas horas após o início dos ataques, os militares afegãos conseguiram tomar o controle do prédio. Azimi confirmou que 19 pessoas morreram no Ministério atacado e no departamento penitenciário de Khairkhana, no norte de Cabul. De acordo com o policial Zulmay Khan, um dos taleban foi morto a tiros pela polícia do lado de fora do Ministério da Educação, enquanto corria em direção ao edifício, que fica a cerca de 200 metros do Ministério da Justiça.   Após assumir a autoria dos ataques, os taleban tinham atacado quatro lugares, segundo o porta-voz do grupo, Zabiullah Mujaheed. Segundo ele, cinco militantes atacaram o Ministério, enquanto dois outros invadiram o departamento penitenciário. O porta-voz afirmou ainda que os ataques foram uma resposta ao tratamento inadequado dos prisioneiros do grupo detidos pelo governo. "Nós alertamos para que o governo afegão pare de torturar nossos presos", afirmou Mujaheed por telefone para a AP.   Em meio às ambulâncias, Cabul está em alerta máximo e as autoridades ordenaram uma intensa mobilização policial diante da notícia dos atentados. Os ataques suicidas tinham atingido a capital em várias ocasiões, a última delas em 17 de janeiro, em frente à embaixada alemã, quando um suicida a bordo de um veículo detonou uma carga explosiva e matou quatro afegãos e um soldado dos EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUATaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.