Taleban ataca prédios do governo afegão e faz reféns

Forças dos EUA e afegãs libertam 20 funcionários da Câmara; pelo menos 20 pessoas morreram nos combates

Agências internacionais,

12 de maio de 2009 | 08h54

Onze suicidas do Taleban atacaram prédios do governo no leste do Afeganistão nesta terça-feira, causando confrontos nas ruas da principal cidade afegã que deixaram pelo menos 20 mortos e três soldados norte-americanos feridos. Soldados dos Estados Unidos e do Afeganistão libertaram 20 funcionários do governo que haviam sido tomados como reféns pelos insurgentes.

 

Veja também:

Troca de comando dos EUA muda a guerra no Afeganistão

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

 

O ataque começou por volta das 10 horas (horário local), quando um suicida, vestindo uma burca atacou o complexo do governador em Khost, uma cidade ao leste do país na fronteira com o Paquistão e que abriga uma importante base norte-americana. Essa explosão foi seguida pela detonação de um carro-bomba, disse Wazir Pacha, porta-voz do chefe de polícia provincial.

 

Forças norte-americanas, que participavam de uma reunião nas imediações, responderam ao ataque e mataram um número ainda incerto de militantes, disse a comandante Christine Sidenstricker, porta-voz militar dos Estados Unidos. Os moradores de Khost esconderam-se das explosões de bombas e dos confrontos nas ruas, que duraram até as 17 horas. Pelo menos 11 insurgentes e outras nove pessoas - dentre elas policiais e civis - morreram, informou o Ministério da Defesa. O porta-voz do Taleban, Zabiullah Mujahid, disse que 30 suicidas atacaram os prédios do governo.

 

A ação começou com um ataque suicida no complexo do governador, onde vários soldados norte-americanos reuniam-se com o chefe da polícia provincial, disse o porta-voz militar norte-americano Brian Naranjo. Depois, um grupo de seis suicidas tentou atacar uma delegacia, mas foi contido pelas forças de segurança e entraram no prédio da Câmara municipal. Várias explosões foram ouvidas de seu interior, na medida em que forças norte-americanas e afegãs cercaram a área. Três homens-bomba detonaram seus explosivos, enquanto outros militantes tomaram os 20 funcionários do local como reféns. Após algumas horas de confrontos, os soldados dos EUA e afegãos invadiram o local e libertaram os sequestrados, matando três insurgentes.

 

Um segundo grupo de soldados norte-americanos foi enviado de um base dos EUA nas proximidades, Camp Salerno. Mas essas tropas foram atacadas no caminho, disse Naranjo. Um soldado norte-americano e um policial afegão ficaram feridos e foram levados para Camp Salerno para receberem atendimento médico. O estado de saúde dos soldados é estável. Vários militantes foram mortos, disse ele. O governador provincial e o prefeito da cidade não ficaram feridos, informou o porta-voz do Ministério do Interior, Zemeri Bashary. O Ministério disse que dois policiais e dois guardas foram mortos na explosão no complexo do governador.

 

O porta-voz taleban Zabiullah Mujahid disse que 30 insurgentes, todos eles armados e com coletes de explosivos, atacaram os escritórios do governador e a delegacia da polícia em Khost, capital da província homônima. Khost é uma das províncias com maior atividade dos taleban com mais presença nas zonas do país onde predomina a etnia pashtun.

 

Nos últimos meses, os militantes tem realizado um número crescentes de ataques complexos que envolvem vários atacantes. Analistas militares disseram que a crescente sofisticação dos ataques no Afeganistão é o resultado do treinamento dos militantes paquistaneses e dos combatentes da Al-Qaeda.

 

O ataque ocorreu um dia depois de o Pentágono ter retirado o principal comandante norte-americano do Afeganistão, general David McKiernan, e quando o novo embaixador dos Estados Unidos, o ex-general de três estrelas Karl Eikenberry, apresentou suas credenciais ao presidente Hamid Karzai.

 

McKiernan será substituído pelo general Stanley McChrystal, que tem liderado forças especiais. A administração Obama espera que a mudança tenha efeito sobre as ações dos militantes. Combatentes do Taleban e de outros grupos aumentaram seus ataques nos últimos três anos e agora controlam grandes pedaços de território.

 

O general Mohammad Zahir Azimi, porta-voz do Ministério da Defesa do Afeganistão, listou três prioridades nas quais McChrystal deve se concentrar quando tomar o comando. "Evitar mortes civis, fortalecer a qualidade e a quantidade das forças afegãs e se concentrar mais na coordenação das operações militares com forças afegãs", disse Azimi.

 

A saída de McKiernan ocorre no momento em que mais de 21 mil soldados norte-americanos começam a chegar ao Afeganistão, enviados por Obama para lutar contra o Taleban com mais rigor. O número recorde de 38 mil tropas norte-americanas já estão no país.

 

Matéria atualizada às 12h25.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUAPaquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.