Taleban avança e controla área próxima da capital no Paquistão

Com a justificativa de ampliar alcance da lei islâmica, militantes expandem domínio a 100 km de Islamabad

Agências internacionais,

22 de abril de 2009 | 11h59

Os militantes taleban que implementaram a lei islâmica no Vale do Swat, região fronteiriça com o Afeganistão, agora assumiram o controle de um distrito a noroeste da capital, patrulhando estradas, transmitindo sermões a cerca de 96 quilômetros de Islamabad. O fortalecimento espalhou temores de que o acordo de paz firmado com o governo, que permitiu a aplicação da Sharia, tenha encorajado os insurgentes a expandirem sua área de domínio no país.

 

O presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, assinou o acordo de paz na semana passada permitindo a aplicação da lei islâmica no Vale do Swat para conseguir uma trégua com o Taleban, que tem atacado forças de segurança paquistanesas nos últimos dois anos. Mas nos últimos dias, militantes passaram a ocupar o distrito de Buner, ao sul do vale, indicando que eles querem expandir sua presença no país com o pretexto de ampliar o alcance da Sharia.

 

"Nossa resistência é formada por centenas", afirmou à CNN Moulana Mohammad Khalil, um dos homens fortemente armados que patrulham as estradas em caminhonetes, cantando hinos islâmicos. Segundo ele, os Taleban tomaram o controle da área para garantir o cumprimento da lei islâmica. Um dos legisladores do distrito disse à Associated Press que os militantes entraram na região em "grande número" e começaram a posicionar postos de checagem em estradas e pontos estratégicos.

 

Os insurgentes ainda usam ondas de rádio para transmitir sermões islâmicos em Buner, além de terem ocupado casas de alguns proprietário de terras. Segundo oficiais da polícia, os militantes ainda proibiram os barbeiros de fazerem a barba dos homens e as lojas de venderem música e filmes. O governo paquistanês parece incapaz de conter o avanço do Taleban no território. Nos dias após a assinatura da lei, clérigos pró-Taleban promoveram manifestações no Swat e em Islamabad pedindo pela imposição da Sharia em todo o país. A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, afirmou nesta quarta-feira que o avanço dos taleban no Paquistão representa uma "ameaça para a existência" do país.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.