Lorenzo Tugnoli/WP
Lorenzo Tugnoli/WP

Taleban avança nas principais cidades afegãs pela primeira vez em duas décadas

Combatentes atacam Kandahar e Herat, centros movimentados localizados no oeste do país

Susannah George, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

01 de agosto de 2021 | 17h52

KANDAHAR - O Taleban está aumentando a pressão sobre algumas das maiores cidades do Afeganistão, atingindo centros movimentados e empurrando as linhas de frente para as áreas urbanas pela primeira vez desde que os militantes foram derrotados, quase duas décadas atrás.

Neste sábado, os combatentes do Taleban lançaram foguetes nos aeroportos de Kandahar e Herat, duas das maiores cidades e centros econômicos mais movimentados do país. Os ataques interromperam as viagens comerciais, embora os voos de entrada e saída de Herat tenham sido retomados.

“Houve uma grande explosão e toda a sala começou a tremer”, disse Massoud Ahmad Pashtun, chefe do aeroporto de Kandahar, que estava presente no momento do ataque. Ele disse que três foguetes caíram segundos um do outro e danificaram uma das pistas.

Os ataques marcam um ponto de viragem potencial no conflito afegão. Anteriormente, os confrontos eram em grande parte confinados às áreas rurais do país ou cidades menores disputadas pelos militantes. Ataques convencionais em grande escala em Kandahar e Herat, a segunda e a quarta maiores cidades do país, têm o potencial de colocar em perigo milhões de civis.

Os relatórios iniciais sugeriram que o ataque com foguete contra Kandahar veio do lado leste da cidade, onde os combatentes do Taleban avançaram. Pashtun disse temer mais ataques nos próximos dias, por causa da deterioração da situação de segurança e da remoção de um sistema antimísseis americano que protegia o campo de aviação antes da retirada das forças americanas da província de Kandahar, no sul.

O general Ajmal Shinwari, porta-voz das forças de segurança, disse em uma entrevista coletiva no domingo que todas as tropas estavam em alerta máximo devido às "situações de emergência" nas províncias de Kandahar e Herat, no oeste. Centenas de outras forças afegãs foram enviadas para as duas províncias como reforços.

Os ataques do Taleban na província de Kandahar já duram meses, mas nos últimos dias o grupo começou a se aproximar do centro da cidade, a capital.

As linhas de frente que cruzavam os subúrbios agrícolas há apenas algumas semanas atrás agora abrangem bairros densamente povoados. A apenas algumas centenas de metros de um bairro controlado pelo Taleban na fronteira oeste de Kandahar, as forças do governo transformaram um salão de casamentos e uma opulenta casa de vários andares em bases improvisadas.

“Eles nos observam daquelas casas ali”, disse um oficial de comando, que falou sob condição de anonimato porque não estava autorizado a falar com a mídia. Ele apontou para uma bandeira branca do Taleban visível a apenas alguns quarteirões de uma rotatória.

Os soldados do governo disseram que trocaram tiros com combatentes do Taleban ocasionalmente durante o dia, mas é à noite que os confrontos ficam mais intensos.

Milhares de civis estão sendo forçados a fugir de suas casas. Mais especificamente na cidade de Kandahar, acampamentos improvisados ​​surgiram em terrenos baldios.

Jalil Ahmad, 30, disse que sua casa foi destruída por um ataque de morteiro e que seus ouvidos ainda zumbiam com a explosão. Ele disse que uma unidade policial assumiu uma posição de tiro no telhado de sua casa e que os combatentes do Taleban retaliaram com uma rajada de morteiros.

“Uma parede inteira desabou sobre a minha família”, disse ele. “Nunca vimos uma luta assim em nossa área antes.”

Em Herat, as forças especiais afegãs foram enviadas para a capital no domingo para ajudar a conter os avanços do Taleban. Os combatentes do Taleban violaram os limites da cidade e um complexo da ONU foi atacado, com os confrontos durando horas. As Nações Unidas condenaram o ataque. Um comunicado do Taleban descreveu a destruição como "lamentável", dizendo que o grupo continua comprometido em proteger a ONU.

Abdul Rahman Rahman, conselheiro do Ministério do Interior, viajou para Herat no domingo para acalmar “a atmosfera de pânico” que cresce na cidade, disse ele. Rahman chegou com uma equipe de forças especiais afegãs, que ele prometeu que lidariam "ferozmente" com o Taleban.

A pressão do Taleban sobre as principais cidades ocorre em um momento em que o grupo continua a espremer capitais de província muito menores em áreas há muito contestadas por militantes. Em Helmand, uma província que é uma das menos estáveis ​​do Afeganistão há anos, os combates se intensificaram na semana passada, aumentando os temores de que a capital da província caísse. Os combatentes do Taleban avançaram para dentro dos limites da cidade e estão constantemente se aproximando do complexo do governo central.

As forças afegãs responderam com ataques aéreos. Um ataque aéreo atingiu um pequeno hospital nos arredores da cidade no sábado, matando o parente de um paciente e ferindo outras quatro pessoas, incluindo um paciente e três funcionários, de acordo com o diretor do hospital, Mohammad din Naraiwal.

À medida que os ataques aéreos se aproximavam nos últimos dias, Naraiwal comunicou-se repetidamente com as forças do governo afegão, pedindo-lhes que não atacassem as instalações. Ele disse que nenhum combatente do Taleban estava presente no prédio quando foi atingido.

“Estou preocupado que se o governo reabastecer suas forças, haverá mais combates”, disse ele. “Haverá mais vítimas civis.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.