Taleban confirma destruição de estátuas de Buda

O Ministério da Cultura da milícia radical islâmica Taleban, que controla o Afeganistão, anunciou hoje que pelo menos dois terços das gigantescas estátuas de Buda que estavam no centro do país já tinham sido destruídas, apesar dos apelos da comunidade internacional. "Nossa gente destrói os ídolos com barras de ferro e pedaços de pau para certificar-se de que não sobrará nada", disse o ministro da Cultura do Taleban, Quadratullah Jamal. "A cabeça e as pernas das estátuas já foram destruídas sexta-feira e o restante deve ser demolido nos próximos dois dias."Por outro lado, o enviado especial da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), Pierre Lafrance, disse também hoje em Islamabad, no Paquistão, que a ONU ainda não tinha a confirmação de que as estátuas já tinham sido demolidas e esperava reverter a decisão do Taleban de destruir os Budas gigantes depois de encontrar-se com o embaixador do regime afegão na capital paquistanesa, Abdul Salam Zaeef.Amanhã, Lafrance deve viajar para Kandahar, no sul do Afeganistão, para encontrar-se com o líder máximo do Afeganistão, mulá Mohammad Omar. "Meus interlocutores me disseram esta manhã que, na verdade, a demolição das estátuas ainda não foi iniciada e nem mesmo foi dada a ordem para que a destruição começasse", declarou Lafrance a jornalistas no Paquistão. "Não estamos seguros de que foi emitida uma fatwa (decreto islâmico) ordenando a destruição das estátuas, mas sim uma declaração dos ulemas (especialistas na lei muçulmana) sobre o caso."Os líderes do Taleban informaram na quinta-feira que as estátuas gigantes esculpidas na rocha em Bamiyan - que têm entre mil e quinhentos e dois mil anos, são consideradas as maiores imagens de Buda do mundo e são também o mais conhecido tesouro arqueológico do país e foram tombadas como Patrimônio da Humanidade pela Unesco - deveriam ser destruídas por ordem dos ulemas, que vêem nelas um objeto de idolatria e uma ofensa ao Islã.Ontem, a agência de notícias controlada pelo Taleban, a Imprensa Islâmica Afegã, informou que os soldados da milícia estavam enchendo os nichos na rocha onde estão as estátuas com explosivos, acrescentando que forças de artilharia já tinham disparado vários foguetes contra os Budas."Somos conscientes da importância da herança cultural do Afeganistão e sabemos que a demolição das estátuas pode nos trazer problemas, mas a decisão dos ulemas de destruir não só os Budas, mas todas as estátuas do país não pode ser revogada", disse Zaef. "Eu informei ao diplomata da Unesco Lafrance que o cumprimento do édito já estava em marcha e nada poderíamos fazer para revertê-lo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.