Taleban confirma proibição do cultivo de papoula

O regime taleban confirmou a proibição do plantio de papoula nas áreas sob seu controle, desmentindo versões sobre a possível retomada em grande escala da produção de ópio no Afeganistão. Segundo divulgou, nesta terça-feira, em Nova York, o Escritório para a Coordenação das Questões Humanitárias da ONU, os talebans anunciaram que a política de proibição do cultivo da planta continua em vigor. O anúncio foi divulgado num momento crucial do ciclo para o plantio da papoula, que é semeada nesta estação (outono boreal), antes que se inicie o rigoroso inverno. De acordo com o Programa de Controle de Drogas da ONU (UNDCP), com sede em Viena, o cultivo de papoula foi virtualmente eliminado do Afeganistão, que, na primeira metade dos anos 90, era o maior produtor mundial de ópio, e onde, em 2001, foi registrada queda de 94% em relação à produção do ano anterior. Enquanto os EUA lançavam a ofensiva contra os talebans, que protegem o milionário saudita Osama bin Laden, os responsáveis da UNDCP no sul da Ásia disseram ter recebido informações de que, aproveitando a confusão da guerra, os camponeses afegãos se preparavam para voltar a cultivar papoula - uma produção mais bem remunerada do que outros cultivos. Leia o especial

Agencia Estado,

23 Outubro 2001 | 18h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.